PUBLICIDADE

Caso mensalinho: vereador Dedé permanece preso em Campo Grande

Leonardo Cabral em 22 de Fevereiro de 2019

Reprodução

Imagem que constava na página do STJ na tarde de ontem

O vereador de Ladário, André Franco Caffaro (PPS), conhecido como Dedé, não conseguiu habeas corpus para deixar a prisão, em Campo Grande, como informado na tarde de quinta-feira (21). Ocorre que, na página do Superior Tribunal de Justiça foi publicado, às 14h52 de ontem, que o habeas corpus havia sido concedido, conforme demonstrado na imagem, mas não havia informações sobre a decisão.

Nesta sexta-feira (22), consta no Diário da Justiça Eletrônico, que o ministro Ribeiro Dantas, relator do processo no STJ, indeferiu a liminar que pedia o habeas corpus por supressão de instância (irregularidade em que a instância superior julga matéria não examinada pela instância inferior). Contudo, o ministro concedeu ordem que determina que o Colegiado da Seção Especial Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, aprecie o agravo interno interposto pela defesa do vereador. O pedido, então, volta ao TJ para nova análise em função do indeferimento do habeas corpus.

André Caffaro continua preso junto com outros cinco vereadores, o prefeito afastado Carlos Ruso e o ex-secretário de Educação, Hélder Botelho. No dia 13 deste mês, a vereadora Lilia Maria Villalva de Moraes Silva (MDB), a pastora Lilia, conseguiu liminar e cumpre prisão domiciliar em Ladário. 

Caso mensalinho

A operação deflagrada pelo Gaeco em 26 de novembro de 2018, apontou a existência de pagamentos feitos pelo prefeito Ruso, aos vereadores acusados. Foi o que informou à época o procurador-geral de Justiça, Paulo Passos, que esteve no município acompanhando as investigações. Os valores pagos chegavam entre R$ 1,5 mil até R$ 3,5 mil.

Além do prefeito afastado Carlos Ruso e o ex-secretário de Educação, Helder Botelho, foram presos Vagner Gonçalves, Agnaldo dos Santos Silva Junior, André Franco Caffaro, Augusto de Campos, Paulo Rogério Feliciano Barbosa e Osvalmir Nunes da Silva.

Por causa das prisões, que atingiram mais da metade do Legislativo ladarense, foi necessário convocar os suplentes para que a Câmara continuasse a trabalhar.

Com a prisão do prefeito, o vice, Pastor Iranil Soares (PSDB), assumiu a administração de Ladário. Estão tramitando na Câmara Municipal três processos de cassação dos mandatos de Ruso e dos sete vereadores acusados.

Saiba mais

21/02/2019 Vereador Dedé, do caso "mensalinho", é o segundo a sair da prisão

14/02/2019 "Mensalinho": vereadora de Ladário ficará em prisão domiciliar

13/02/2019 Ministro do STJ revê decisão e libera vereadora suspeita de receber “mensalinho”

18/12/2018 Câmara de Ladário inicia processo de cassação de mandato de prefeito preso

14/12/2018 Em nova votação, Daniel Benzi é eleito presidente da Mesa Diretora da Câmara de Ladário

06/12/2018 “Mensalinho”: PF encontrou R$ 8 mil com vereadores em caminhonete

04/12/2018 Câmara de Ladário anula eleição de Mesa e aprova mudança em regimento

29/11/2018 Câmara de Ladário prepara alteração em regimento para iniciar processos de cassação

29/11/2018 Após prisões, prefeito de Ladário anuncia equipe da nova administração

27/11/2018 Mensalinho: Justiça mantém prisão de Ruso, secretário e vereadores de Ladário

26/11/2018 Suplentes assumem vagas de vereadores presos em operação do Gaeco

26/11/2018 Pastor Iranil é empossado prefeito de Ladário e pede apoio para governar

26/11/2018 Prefeito, secretário e vereadores de Ladário chegam ao Presídio de Trânsito da Capital

26/11/2018 Ladário: Pastor Iranil e suplentes de vereador vão ser empossados às 19h de hoje

26/11/2018 "Mensalinho" rendia até R$ 3,5 mil para vereadores apoiarem prefeito, diz procurador

26/11/2018 Prefeito e políticos presos em Ladário já seguem para Campo Grande

26/11/2018 Vice-prefeito assume comando da Prefeitura de Ladário

26/11/2018 Gaeco prende prefeito, secretário e sete vereadores de Ladário por suposto esquema de mensalinho

PUBLICIDADE