PUBLICIDADE

Câmara de Ladário anula eleição de Mesa e aprova mudança em regimento

Rosana Nunes em 04 de Dezembro de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Nova mesa diretora vai ser escolhida na Câmara de Ladário

A Câmara de Vereadores de Ladário aprovou, em primeira votação, na sessão de segunda-feira (03), alteração no Regimento Interno do Legislativo, que não permitia que suplentes participassem de Comissão Processante. Agora, em caso de afastamento de 50 por cento mais um dos parlamentares, os suplentes que assumirem podem integrar a CP. A segunda votação está prevista para a próxima sessão, no dia 10. 

Uma vez alterado o Regimento Interno, a Câmara pode dar início aos processos de cassação dos mandatos do prefeito afastado Carlos Ruso (PSDB) e dos sete parlamentares presos em operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) no dia 26 de novembro, que investiga pagamentos feitos por Ruso aos vereadores em troca de apoio político. Mas para isso, é preciso que um cidadão, ou algum parlamentar, faça a denúncia formal à Câmara. É o que prevê a lei que trata de cassação. 

Além da prisão preventiva, a Justiça determinou a suspensão do exercício de mandatos eletivos e de cargo público de todos os acusados. Com isso, a Câmara ladarense ficou composta de sete suplentes e apenas quatro titulares: o presidente da Mesa Diretora, Fábio Peixoto (PTB); o vice-presidente Daniel Benzi (PMDB); o 1º secretário, Jonil Júnior Gomes Barcelos (PMN) e Eurípedes de Jesus (PTB). 

Mesa diretora

Por recomendação do Ministério Público Estadual, na sessão de ontem, também foi votada a anulação da eleição da Mesa Diretora da Câmara para o biênio 2019/2020, realizada no dia 20 de novembro. É que além de quatro dos cinco eleitos estarem presos, a investigação do MPE aponta indícios de "negociata" entre os parlamentares. Foram 6 votos contra 3 pela anulação. A data da nova eleição deve ser anunciada na sessão do dia 10. 

A Mesa Diretora que havia sido eleita tinha Eurípedes Zaurízio de Jesus (presidente), Vagner Gonçalves (vice-presidente), André Franco Cáffaro (segundo vice), Paulo Rogério Feliciano Barbosa (primeiro secretário) e Agnaldo Santos Silva Junior (segundo secretário).

Os sete vereadores presos são: Vagner Gonçalves (PPS), Agnaldo dos Santos Silva Junior (PTB), André Franco Cáffaro (PPS), Augusto de Campos (MDB), pastora Lilia Maria Villalva de Moraes (MDB), Paulo Rogério Feliciano Barbosa (PMN) e Osvalmir Nunes da Silva (PSDB). O ex-secretário de Educação e Administração da Prefeitura, Helder Botelho, também teve a prisão preventiva decretada. Todos permanecem presos em Campo Grande, onde a investigação do Gaeco e MPE está concentrada. 

PUBLICIDADE