PUBLICIDADE

Com proibição de atividades e serviços, maioria das lojas do centro de Corumbá está fechada

Rosana Nunes em 26 de Março de 2021

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Neste primeiro dia, maioria das lojas está fechada

Com a entrada em vigor das medidas mais rígidas para contenção da transmissão do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul,  a sexta-feira, 26 de março, é diferente em Corumbá.

O comércio da área central da cidade parou. Casas lotéricas e lojas, em sua grande maioria, fechadas. Outras atendendo "somente por entrega ou na porta da loja conforme decreto", como avisava um cartaz em frente a um destes estabelecimentos comerciais da rua Frei Mariano.

O fechamento do comércio atendeu ao decreto do Governo do Estado, que entrou em vigor nesta sexta, dia 26, com o objetivo de frear o avanço da covid-19 a partir da redução da mobilidade social. A decisão do governador Reinaldo Azambuja e do secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, também manteve toque de recolher e determinou a instalação de barreiras sanitárias nas rodovias.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Cartaz informa sobre serviço de entrega previsto no decreto

A partir de agora, grande número de atividades e funcionamento de serviços e empreendimentos em todo o Estado estão proibidos até 04 de abril. E mesmo as atividades autorizadas deverão seguir regras, incluindo horário de funcionamento, que também vale para a circulação de pessoas e veículos.

“Os funcionários vão trabalhar internamente, atendimento somente pelo WhatsApp, delivery e drive thru. Sei que vou ter pouca venda, pois roupa é algo que a pessoa quer provar, não vou fazer troca de nada, troca somente depois do decreto, quando estiver tudo aberto. Vou estar trabalhando de acordo com o decreto”, disse ao Diário Corumbaense o dono de lojas no centro comercial, Imad Machini.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Loja vai trabalhar com delivery e drive thru, que são permitidos pelo decreto estadual

Ele disse que os 10 dias de fechamento vão causar grande impacto no movimento financeiro, mas mesmo assim, seu objetivo é evitar demissões. Hoje, as lojas dele contam com 24 funcionários. "Quero manter o máximo que eu posso a minha equipe, mas vou ter que ver até quando irei aguentar. Porque o impacto nas vendas vai ser muito grande. Vou torcer muito, para que nestes 10 dias, haja, de fato, a melhora na situação hospitalar, nesse caos que está ocorrendo aí, para que a gente possa voltar a trabalhar com mais tranquilidade. Eu, particularmente, sou contra lockdown. Não é uma medida que vai conter a pandemia, é uma medida que vai fazer gerar mais desemprego, eu não tenho dúvidas. Estamos prevendo uma queda de 50% nos empregos do comércio central, mas enfim, a gente tem que ir vivendo um dia de cada vez”, afirmou o comerciante.

Imad contou que teve covid-19. Pegou de um familiar. "A mensagem que deixo para as pessoas é que cada um tem que fazer a sua parte, o que vejo é muitas pessoas que estão assintomáticas, mas elas esquecem que mesmo assintomáticas podem contaminar e que quem ela contaminar pode reagir de uma forma mais drástica levando até a morte. Tem muita gente que não tem a consciência da gravidade dessa doença. Eu peguei covid, fiquei internado 10 dias, fiquei no oxigênio oito dias, é uma doença que derruba a gente, é uma doença traiçoeira, quando a gente acha que está bem ela pode nos derrubar novamente. Faça a sua parte, use máscara sempre, mesmo vacinado continue usando máscara, higienização das mãos direto, respeite o distanciamento social, evite aglomeração. Cada um tem que fazer a sua parte. Para mim não basta lockdown, essas medidas muito drásticas se a pessoa não fizer a parte dela. A medida está em cada um, onde cada um faz a sua parte, nos protegendo e protegendo o próximo", completou Imad.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Restaurante montou drive thru para atender clientes

O decreto

Estão proibidos a circulação de pessoas e veículos, realização de atividades e o funcionamento de serviços e empreendimentos de segunda a sexta-feira, das 20 às 05 horas; e aos sábados e domingos, das 16 às 05 horas. As exceções são serviços públicos indispensáveis à vida e à segurança; casos de emergência e urgência; serviços de saúde, transporte, fornecimento de alimentos e medicamentos por delivery, farmácias e drogarias, funerárias, postos de combustíveis, indústrias, restaurantes em postos de combustíveis localizados em rodovias e hotéis; hipermercados, supermercados e mercados e transportes intermunicipais.

No caso dos mercados, supermercados e comércio em geral está proibido o consumo de alimentos e bebidas no local. O acesso simultâneo de mais de uma pessoa da mesma família nestes locais também está vedado, exceto nos casos em que for necessário o acompanhamento especial.

Estão restritos ainda atividades, eventos, reuniões e festividades que possam acarretar em aglomeração de pessoas. Centros esportivos, balneários e salões não poderão funcionar. E até mesmo as atividades e serviços autorizados terão a limitação de atendimento ao público de 50% com distanciamento mínimo de 1,5 metro por pessoa.

Equipes da segurança pública estadual farão abordagens e qualquer pessoa poderá denunciar o descumprimento das normas por meio do telefone 190.

Os Municípios devem seguir as normas, mas estão autorizados a adotar medidas ainda rígidas, de acordo com a situação epidemiológica e as particularidades locais. Conforme o programa Prosseguir, Mato Grosso do Sul está com quatro municípios em grau extremo de Covid-19 e 48 com risco elevado. É o pior cenário desde o início da pandemia. Com informações do site do Governo de MS.

Comentários:

PAULO CABRERA: Melhor impacto na Venda do quê impacto no sistema de Saúde....ou gestores de políticas públicas, elaborem plano de Rodízio, de funcionários, e comércio, e horário, essencial ou não essencial. Acabou, mais dessa forma não funciona

Helmut Martines da Silva: Como pessoas do bem e como cristãos estamos sujeitos as nossas autoridades, estamos cumprindo e colaborando para a superação desta má fase em que Deus nos permite passar. Que haja compreensão e consideração ao próximo, pois sabemos que Deus está no controle de nossas vidas. Que possamos, neste tempo de "reclusão domiciliar", refletir sobre como está a nossa vida em relação a nossa família, sociedade e Deus... Sabemos que em tudo há um propósito maior, que possamos aprender e mudarmos para melhor as nossas atitudes, nossos pensamentos e nossos conceitos... Que o nosso bom Deus continue tendo misericórdia de todos nós!!!

PUBLICIDADE