PUBLICIDADE

Grupos se unem e arrecadam frutas para animais atingidos pelas queimadas no Pantanal

Leonardo Cabral em 02 de Outubro de 2020

Reprodução / Vídeo enviado ao Diário Corumbaense

Açudes que ainda resistem à estiagem servem de refúgio para animais no Pantanal

Animais mortos, alguns feridos, outros fugindo em busca de uma área para tentar sobreviver e em busca de alimentos. São essas as cenas vivenciadas no Pantanal de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, por conta dos focos de queimadas que seguem devastando a vegetação da maior área alagada do Mundo e que sofre com a maior estiagem das últimas décadas.

Para tentar amenizar o sofrimento desses animais, grupo organizado de amigos, de Corumbá e Campo Grande, sob orientação de outro grupo organizado no Mato Grosso, se uniu para arrecadar alimentos. Juntos, eles estão arrecadando frutas para serem deixadas em pontos estratégicos no Pantanal de Corumbá em uma operação denominada “SOS Animais do Pantanal”.

Nessa primeira remessa, pouco mais de 1,5 tonelada de frutas foram arrecadadas em Corumbá e mais 1,5 tonelada em Campo Grande. O grupo movimentou moradores que se comoveram e juntos, encararam a força-tarefa. Em Corumbá, uma academia, entre as ruas Gonçalves Dias de Firmo de Matos e a sede da Polícia Militar Ambiental (PMA), que dá apoio à ação, foram os pontos de coleta das frutas.

A quantidade arrecadada nessa primeira semana foi tão grande que as doações foram suspensas, conforme um dos idealizadores da ação na cidade, Jeferson Braga. “Tivemos que parar de arrecadar, pois muitas pessoas nos ajudaram. Porém, esse trabalho deve seguir nos próximos três meses, então a ideia é fazer com que essas arrecadações aconteçam toda semana”, explicou ao Diário Corumbaense.

Ainda de acordo com ele, as frutas seguem logo nas primeiras horas de domingo (04) para a Estrada Parque, onde serão distribuídas em pontos estratégicos.

Divulgação

Serão três meses de arrecadação com a ação SOS animais do Pantanal

“Fizemos o reconhecimento desses locais ao longo da semana. Conseguimos identificar 12 pontos, onde as frutas serão deixadas e 03 pontos próximos à estrada. Só nessa visita foi possível perceber o sofrimento desses animais. Eles estão assustados com o que está acontecendo. O fogo está consumindo o habitat deles”, falou Jeferson.

As frutas irão seguir em 10 veículos. “São em torno de 50 voluntários que irão no domingo, sendo três desses veículos viaturas da PMA, que está dando total apoio junto com os voluntários da nossa cidade e Capital”, mencionou Braga frisando que na visita de reconhecimento dessas áreas, também percebeu que o refúgio de alguns animais está sendo os poucos açudes que ainda restam. “Eles se refugiam onde podem. Num açude que secou, foi possível ver um jacaré morto, provavelmente por falta de água e alimento. A situação é triste”, afirmou.

As principais frutas arrecadadas são aquelas que contem bastante líquido, como melancia, melão, maçã e  banana. 

PUBLICIDADE