PUBLICIDADE

Com discurso de construção política, Eduardo Rocha e Santullo assumem cargos no governo

Campo Grande News em 03 de Dezembro de 2021

Marcos Maluf/Campo Grande News

Da esquerda para direita: Santullo, Tereza Cristina, Ridel, Azambuja, Correia, Rocha, Simone Tebet e Sérgio de Paula

Com discursos de construção política, Eduardo Rocha (MDB) e Marco Santullo (DEM) tomaram posse em cargos do Governo de Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (03). O emedebista assumiu o posto de secretário de Governo de Gestão Estratégica. Já Santullo, terá a função de secretário especial de Articulação Política.

Com a decisão, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) traz para dentro da administração pública estadual, duas figuras importantes de potenciais partidos aliados, na construção da candidatura do secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel (PSDB), ao cargo de governador do Estado.

Marcos Maluf/Campo Grande News

Governador na posse de Santullo e Rocha

“Os dois nomes têm convergências políticas com as ações praticadas pela nossa administração. Falar do Eduardo é fácil, pois ele é um amigo. Muitas vezes foi mais nosso aliado do que muitos na Assembleia, apesar de pertencer ao MDB. Já Marco Aurélio, tem experiência na vida pública e saberá conviver com os prefeitos e parlamentares do nosso Estado”, enalteceu Azambuja.

Em seu discurso de posse, Santullo reconheceu que na política existem muitas divergências, porém apenas com convergência é possível fazer uma construção propositiva.

“Na política as divergências são contínuas, mas aprendi que a política é feita de convergência. Faço parte de um grupo que faz política propositiva, que não se acovarda. Chegamos para colaborar com o Estado e somar. Eu nunca vi uma bancada federal tão atuante e meu papel é dar continuidade a esse trabalho de gestão pública, gestão financeira e desenvolvimento. Se vierem com ódio, vamos mostrar perseverança, garra e atitude”, projetou Santullo.

Marcos Maluf/Campo Grande News

"O palanque é lá na frente", diz Rocha sobre assumir cargo no governo faltando menos de um ano para eleições

Também em tom de harmonia, Rocha afirmou que na política sempre abriu mão de ganhos pessoais, pois prefere a boa política e não a do confronto. “Eu sou um ser político e a principal função dele é saber ouvir. Devemos ser humildes quando erramos. Além disso, o que falta muito hoje é fidelidade e lealdade na política. Eu disse que é o nosso projeto político. Agora é levar dignidade à população ao lado do governador Reinaldo Azambuja. O palanque é lá na frente”, concluiu Rocha. 

PUBLICIDADE