PUBLICIDADE

Moradores de Corumbá e Ladário sofrem com fumaça e fuligem das queimadas no Pantanal

Rosana Nunes em 27 de Julho de 2020

Anderson Gallo/ Diário Corumbaense

A cortina de fumaça toma conta de toda a região

Depois de um fim de semana com leve redução na densa camada de fumaça que vem encobrindo Corumbá e Ladário, a segunda-feira (27) está sendo bem difícil para os moradores das duas cidades. 

A cortina de fumaça invadiu novamente a área urbana e ainda cai do céu muita fuligem das queimadas no Pantanal, como mostra acima a imagem capturada pelo fotógrafo Anderson Gallo.

"Está insuportável, e agora além da fumaça, a fuligem, que suja tudo. Onde vamos parar, meu Deus? Já não sei o que fazer para amenizar isso. Espalhei baldes de água por toda a casa, deixo toalhas molhadas nos quartos, mas está difícil respirar", disse ao Diário Corumbaense, dona Dilze Silva, de 57 anos, que mora com a família na área central de Corumbá. 

E em meio a toda essa fumaça, os helicópteros da Marinha, Exército e da Força Aérea Brasileira, quase somem. Eles estão transportando equipes de bombeiros militares e brigadistas do Prevfogo para as áreas mais críticas, e também lançam água nos pontos de difícil acesso. 

Um C-130 Hércules, com capacidade de lançamento de até 12 mil litros de água, também já está em Mato Grosso do Sul e fez pela manhã o primeiro lançamento. Nesta tarde, estão previstos mais dois. A base dessa aeronave é em Campo Grande, de onde ela parte para o pantanal. 

Em Corumbá já são 32 dias sem chuva, conforme o meteorologista Natálio Abrahão, da estação meteorológica da Uniderp, em Campo Grande. O prognóstico é de sol para os próximos dias, com pouca nuvem e sem chuva até o dia 10 de agosto no Estado. 

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Helicóptero apoiando as ações de combate aos focos de queimadas no Pantanal

Comentários:

Isaías de Jesus Campos : Não adianta chamar Marinha, Exército, Aeronáutica, equipes de outras localidades ... etc... Homens não apagam incêndios, seres humanos são capazes de apagar princípio de incêndio. Temos que ter um helicóptero e equipe de brigadistas de prontidão para agir assim que surgir uma fumacinha no pantanal. Todos os anos é assim, chama gente de fora, chama aeronaves, mas, só Pedrão dá jeito. Infelizmente é sempre assim, remediar e não acabar com o problema. E Pedrão só vai aparecer depois de 10 de agosto, segundo Natália Abraão.

PUBLICIDADE