PUBLICIDADE

Em pouco mais de 15 dias, Corumbá já registrou 218 notificações de dengue e 1 óbito

Rosana Nunes em 14 de Janeiro de 2020

Anderson Gallo/Arquivo Diário Corumbaense

Doença é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti

As autoridades em Saúde de Corumbá estão preocupadas com o rápido crescimento de notificações de dengue nos últimos dias. De 30 de dezembro até 13 de janeiro, foram 218 notificações de casos suspeitos. Destes, nove foram confirmados por meio de exames feitos no Lacen (Laboratório Central) de Campo Grande. 

Na quinta-feira, 09 de janeiro, a cidade registrou o primeiro óbito por dengue. O paciente, Lucian Andrade, de 29 anos, contraiu o tipo mais grave da doença. Ele foi internado primeiro no Hospital da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores de Mato Grosso do Sul); no dia 07, foi transferido para a Santa Casa e, na quarta-feira (08), foi para o CTI (Centro de Tratamento Intensivo), onde faleceu. A morte por dengue do tipo grave, também foi confirmada pelo Lacen e já consta no levantamento epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado. 

Outro homem, cuja idade não foi confirmada, também está internado no CTI da Santa Casa com suspeita de dengue hemorrágica. O quadro de saúde é delicado por ele também ser paciente renal. 

Bairros com maior registro de suspeitas

Dados da Secretaria Municipal de Saúde revelam que o bairro Cristo Redentor é a região com mais casos suspeitos de dengue. Depois vêm Popular Velha, Centro, Guarani, Dom Bosco, Aeroporto, Guatós, Maria Leite e Nova Corumbá. Os principais sintomas são febre alta; dores musculares intensas; dor ao movimentar os olhos; mal-estar; falta de apetite; dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo.

A dengue não é transmitida de pessoa para pessoa. A transmissão ocorre através da picada do mosquito Aedes aegypti. Por isso, as autoridades em saúde reforçam a importância de a população tomar medidas que evitem a proliferação do mosquito transmissor. 

A Secretaria de Saúde de Corumbá disponibiliza telefones para moradores também denunciarem locais, como terrenos baldios e imóveis abandonados, com possíveis foco. O anonimato é garantido. Os números são: 0800 647 2255 / 0800 647 2109 / 3233-2783.

As principais medidas de prevenção e combate ao Aedes aegypti são:

  • Manter bem tampados tonéis, caixas e barris de água;
  • Lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água;
  • Manter caixas d’agua bem fechadas;
  • Remover galhos e folhas de calhas;
  • Não deixar água acumulada sobre a laje;
  • Encher pratinhos de vasos com areia ate a borda ou lavá-los uma vez por semana;
  • Trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana;
  • Colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas;
  • Fechar bem os sacos de lixo e não deixar ao alcance de animais;
  • Manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo;
  • Acondicionar pneus em locais cobertos;
  • Fazer sempre manutenção de piscinas;
  • Tampar ralos;
  • Colocar areia nos cacos de vidro de muros ou cimento;
  • Não deixar água acumulada em folhas secas e tampinhas de garrafas;
  • Vasos sanitários externos devem ser tampados e verificados semanalmente;
  • Limpar sempre a bandeja do ar condicionado;
  • Lonas para cobrir materiais de construção devem estar sempre bem esticadas para não acumular água;
  • Catar sacos plásticos e lixo do quintal.
PUBLICIDADE