Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
23 de Junho de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Série D: Corumbaense joga melhor que o Brasiliense, mas partida termina empatada

Ricardo Albertoni em 12 de Maio de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Corumbaense foi superior durante a partida, mas faltou efetividade na conclusão das jogadas

Apesar de não ter visto o time vencer o Brasiliense do pentacampeão Lúcio na noite deste sábado, 12 de maio, o torcedor do Corumbaense, que compareceu em pequeno número no estádio Arthur Marinho -  432 pagantes - não se decepcionou com o desempenho do time diante do algoz do último jogo. Com mudanças na equipe, promovidas pelo técnico Robert Almeida, o Carijó da Avenida surpreendeu o Jacaré, criou, teve mais posse de bola e só não conquistou os três pontos pela falta de objetividade na conclusão das jogadas.

Logo no início, o Corumbaense mostrou disposição diferente do primeiro jogo, em que foi goleado por 4 a 0, no estádio Mané Garrincha. Com a ausência de Mutuca, suspenso após levar o terceiro cartão amarelo em Brasília, a equipe contou com Eduardo Arroz cumprindo bem funções defensivas e ofensivas. O time dominou praticamente todo o jogo, mas esbarrou no bem montado sistema defensivo do Brasiliense. Robert também apostou em Igor Pimentel que entrou na equipe com a saída de Cléber; no goleiro Carlão, que entrou no lugar de Guilherme e o meia Da Matta, que ganhou lugar com a saída de Gui Feitoza, vetado pelo departamento médico.

Com a dificuldade de infiltração pelo meio, o mandante da partida tentou explorar as laterais. O Corumbaense chegou algumas vezes com perigo pela direita, com Robinho e Michel, mas, os cruzamentos eram sempre interceptados ou saíam sem levar perigo ao gol de Edimar Sucuri. Surpreendido pela postura do Corumbaense, que nada lembrava o jogo no Mané Garrincha, mesmo com a qualidade técnica de seus jogadores, o Brasiliense se limitou a explorar os contra ataques. Em uma investida no fim do primeiro tempo, o goleiro Carlão fez grande defesa se jogando na bola para evitar o gol dos visitantes.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Mais uma vez, poucos torcedores compareceram ao estádio Arthur Marinho

Na segunda etapa, com o cansaço dos jogadores do Corumbaense, o Brasiliense chegou a dar uma equilibrada no jogo. A entrada de Jorginho no lugar de Michel Paulista e Elivélton no lugar de Da Matta, deu mais velocidade no ataque do Corumbaense, mas ainda faltava efetividade. Robert ainda sacou Valdinei para a entrada de Salomão. O jogo não teve gols, mas, aos 28 minutos do segundo tempo, uma jogada fez os torcedores vibrarem como se o Carijó da Avenida tivesse balançado a rede. O zagueiro Augusto não tomou conhecimento do pentacampeão Lúcio e aplicou um lençol no veterano para o delírio dos presentes no Arthur Marinho. No fim do jogo, o zagueiro, ex-seleção brasileira, foi tietado por jogadores e torcedores. O zagueiro do Carijó da Avenida falou do lance e lamentou o resultado.

“Foi um lance do acaso, fui tentar a jogada e ele veio rápido e graças a Deus deu certo. Mas, eu trocaria aquela jogada pela vitória que era o que nós precisávamos. Nós lutamos o jogo todo, no contexto geral foi bom. Infelizmente a vitória não veio, mas fica aquela sensação de que se a gente tivesse jogado da mesma forma em Brasília, nossa situação seria diferente. Esse desempenho serviu para nos dar ânimo para buscar a vitória nas próximas duas partidas, apresentamos um dos melhores jogos no ano e só faltou a bola entrar”, disse Augusto ao Diário Corumbaense.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

O zagueiro Lúcio, ex-seleção brasileira, faz parte do elenco do Brasiliense

Já no fim da partida, duas ótimas chances para o Corumbaense. Após cruzamento de Jorginho que saiu depois de uma boa jogada individual na esquerda, a bola acabou passando na frente do gol. Elivélton se jogou, mas não alcançou a bola. Já nos acréscimos, Jorginho recebeu dentro da área, dominou e chutou por cima.  

“Criamos as oportunidades, mas o erro nosso foi em Brasília, fizemos uma partida muito abaixo do que estamos acostumados a fazer, nosso futebol é esse e aqui dentro somos muito fortes, pressionamos o tempo inteiro e por um detalhe não saiu o gol. Vamos pensar no próximo jogo em Cuiabá”, afirmou o goleiro Carlão.

O treinador do Corumbaense também revelou que ficou satisfeito com o desempenho do time. “Jogamos muito bem, 'amassamos' o Brasiliense, mas faltou um detalhe para a bola entrar. Os 11 jogadores que iniciaram conseguiram dominar o Brasiliense na maior parte do jogo e mereciam essa vitória, mas, vamos lutar esses últimos jogos. O time melhorou muito, conseguimos encaixar um jogo muito bom, um 4-4-2, e encurralamos o adversário. É vencer agora as duas partidas porque matematicamente existe essa possibilidade e vamos lutar até o fim”, afirmou Robert de Almeida

A rodada do grupo do Corumbaense termina neste domingo, 13 de maio, com o jogo entre Iporá e Dom Bosco, em Goiás. O Carijó da Avenida aguarda o resultado dessa partida para analisar as possibilidades de classificação para a próxima fase. O time pantaneiro enfrenta o Dom Bosco, em Mato Grosso, no dia 20 de maio. A última partida da primeira fase acontece no dia 27, no Arthur Marinho, contra o Iporá, que lidera o grupo A10 com 9 pontos. Em segundo está o Brasiliense com 7 e em terceiro, o Carijó com 4 pontos. O Dom Bosco ainda não pontuou.

O público de Corumbaense e Brasiliense foi de cerca de 785 pessoas. O número de pagantes foi de 432 torcedores, que gerou renda de R$ 8.630, bem abaixo da média do Arthur Marinho.

Novo

No Grupo A11, o outro representante de Mato Grosso do Sul, o Novo, perdeu a segunda partida no campeonato, mas ainda tem chances de classificação, já que a situação no grupo A 11 está indefinida. O Sinop lidera com 7 pontos, seguido de Aparecidense na segunda colocação, Ceilândia na terceira e Novo na quarta, todos com 4 pontos. O próximo jogo do time de Campo Grande é contra o líder do grupo, o Sinop, no dia 20 de maio, no Morenão.

A Série D

O Campeonato Brasileiro da Série D é disputado por 68 clubes, divididos em 17 grupos de quatro equipes na primeira fase. Os 17 primeiros e os 15 melhores segundos colocados de cada chave avançam à segunda fase, que será disputada em jogos mata-mata de ida e volta. Caso não esteja entre os quatro melhores colocados ao fim do campeonato para avançar à Série C, por ser vice-campeão estadual em 2018, o Corumbaense já está garantido na Série D do ano que vem.

 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE