PUBLICIDADE

Comerciante foi morta porque reconheceu voz de ex-funcionário: "era só pra roubar e pagar dívidas"

Leonardo Cabral e Rosana Nunes em 14 de Julho de 2020

Leonardo Amaral

Conforme o Diário Corumbaense adiantou, a Polícia Civil de Corumbá confirmou em coletiva na tarde desta terça-feira (14), que Fabiano Velasques, de 28 anos, o "Cebolinha", agiu sozinho no latrocínio (roubo seguido de morte) da comerciante Liane Aparecida de Arruda, de 51 anos. 

O crime foi na noite de sábado (11), o corpo de Liane foi encontrado na manhã de domingo (12) e, desde o início, as investigações apontaram para "Cebolinha", que foi funcionário da comerciante e conhecia a rotina dela e do estabelecimento comercial.

Anderson Gallo/ Diário Corumbaense

Delegados Willian Rodrigues e Tatiana Zingier e Silva durante coletiva

Preso na manhã desta terça-feira, em um quarto de motel na parte alta da cidade, o acusado disse em depoimento que tinha dívidas para pagar e por isso resolveu roubar Liane. Afirmou que estava sob efeito de entorpecente e que não pretendia matá-la, mas ela reconheceu sua voz e acabou morta com oito perfurações de faca no pescoço, segundo a delegada Tatiana Zingier e Silva, que esclareceu o caso junto com o delegado Willian Rodrigues, que atendeu a ocorrência no dia do crime. 

Depois de matar Liane, "Cebolinha" roubou 9 mil e 500 reais, jóias, pegou o gabinete de computador que armazenava as imagens de câmeras de segurança e o carro da vítima, um Volkswagen Fox, de cor preta, apesar de não ter experiência em conduzir veículo, conforme a delegada. 

Divulgação

"Cebolinha" foi preso na manhã desta terça-feira em um quarto de motel

"Com parte do dinheiro, ele pagou dívidas, comprou bebidas e fez churrasco. Do dinheiro que roubou, recuperamos apenas 688 reais e ele não ofereceu resistência na hora da prisão", disse a delegada Tatiana ao ressaltar que "Cebolinha" assumiu o crime e disse que agiu sozinho. 

Reprodução

Liane de Arruda, morta covardemente

O delegado Willian Rodrigues afirmou que imagens de câmeras de segurança analisadas pela investigação, revelaram que na noite do crime, “Cebolinha”, estava encapuzado e esperava pela vítima, pois ela tinha o costume de levar funcionários do restaurante em casa, após o trabalho. No momento em que ela recolhia o veículo na garagem, ele entrou e ficou por cerca de trinta minutos.

"Nós chegamos à identificação dele por meio de depoimentos de testemunhas e de imagens de circuito de segurança de quando ele abandonou o veículo da vítima junto com outra pessoa. Um boné que o suspeito usava, também foi fundamental para chegarmos à autoria do latrocínio. Ele já tinha passagens policiais, inclusive por furto de veículo por abuso de confiança", frisou o delegado. O carro foi abandonado por volta das 07h de domingo, no final da rua América, ao lado da pista do Aeroporto Internacional. 

Reprodução

Fabiano "Cebolinha" era ex-funcionário da vítima

A pessoa identificada com o acusado, de acordo com as investigações não sabia do crime."Ao encontrar as testemunhas, ele não contou que havia cometido o crime, se mostrou normal durante todo o tempo, o que demonstra a frieza dele", contou a delegada.

"Ele se diz arrependido, porque nunca teve problema com a vítima, trabalhou com ela por duas vezes e foi demitido porque faltava muito. Mas, na minha opinião, não vislumbrei nenhuma característica de arrependimento. Ele pareceu ser uma pessoa fria e afirmou não se recordar direito do crime, mas jogou a faca que usou em uma lixeira", completou Tatiana Zingier que ressaltou o trabalho dos peritos e do legista Walter Breno, que já tinham apontado que o assassino era canhoto. "Hoje, quando ele assinou o depoimento, a gente comprovou que é canhoto mesmo", destacou. 

A Polícia Civil tem dez dias para concluir o inquérito, mas há possibilidade de a conclusão da investigação ser enviada ao Ministério Público antes desse prazo. Fabiano Velasques foi indiciado por latrocínio, crime hediondo, que tem pena prevista de 20 a 30 anos de cadeia.

"Foi um crime covarde, vil, bárbaro. Foi muita maldade", concluiu a delegada. 

PUBLICIDADE