PUBLICIDADE

Polícia Civil faz reconstituição de crime que chocou pela frieza e crueldade de assassino

Rosana Nunes em 17 de Julho de 2020

Anderson Gallo/ Diário Corumbaense

Área foi interditada para a reconstituição no começo da manhã

A Polícia Civil de Corumbá fez, nesta sexta-feira (17), a reconstituição da morte da comerciante Liane Aparecida de Arruda, de 51 anos. O crime foi na noite de sábado (11), o corpo foi encontrado na manhã de domingo (12) e, desde o início, as investigações apontaram para Fabiano Velasques, de 28 anos, o "Cebolinha", que foi funcionário de Liane e conhecia a rotina dela e do restaurante de sua propriedade, na esquina das ruas América e Major Gama.

O trabalho foi coordenado pelos delegados Willian Rodrigues e Tatiana Zingier e Silva. A área foi interditada para que “Cebolinha”, que usava capuz, mostrasse aos policiais como foi a dinâmica do crime que chocou a população pela frieza e crueldade.

Divulgação/Polícia Civil

Reconstituição no quarto onde Liane foi morta

Liane tinha o hábito de levar funcionários em casa depois do fechamento do restaurante e na noite daquele sábado, “Cebolinha” ficou esperando por ela atrás de uma árvore. Quando a vítima recolheu o carro na garagem, ele aproveitou e entrou na casa, que fica ao lado do estabelecimento comercial. Estava encapuzado e rendeu Liane.

O assassino confesso disse que precisava de dinheiro para pagar dívidas e decidiu assaltar a comerciante. Contou que estava sob efeito de entorpecente e que não pretendia matá-la, mas Liane reconheceu sua voz e acabou morta com oito perfurações de faca no pescoço.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

"Cebolinha" usava capuz e mostrou como cometeu o crime

“Cebolinha” ficou na casa por cerca de 30 minutos, roubou 9 mil e 500 reais, jóias, pegou o gabinete de computador que armazenava as imagens de câmeras de segurança e o carro da vítima, um Volkswagen Fox, de cor preta. Com parte do dinheiro, ele pagou dívidas, comprou bebidas e fez até churrasco para amigos.

Depois de uma madrugada de farra, ele e outra pessoa, que segundo as investigações não sabia que ele havia matado Liane, abandonaram o carro da vítima por volta das 07h no final da rua América, próximo a pista do Aeroporto Internacional.

Reprodução

Liane foi covardemente assassinada

“Cebolinha” usava um boné, o mesmo que os policiais haviam visto em fotos durante a investigação. Isso foi crucial para confirmar a autoria do crime. Durante a reconstituição, ele apontou onde havia jogado a chave do veículo e ela foi encontrada pelos policiais.

Fabiano Velasques foi preso na terça-feira (14) em um quarto de motel, na parte alta da cidade. Do dinheiro que roubou, a Polícia recuperou apenas 688 reais. Ele foi indiciado por latrocínio (roubo seguido de morte), que tem pena prevista de 20 a 30 anos de cadeia.

A Polícia Civil trabalha na conclusão do inquérito para encaminhar o caso ao Ministério Público.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Policiais fizeram todo o trajeto do assassino, até abandonar o carro da vítima

PUBLICIDADE