Imperatriz faz voz do "garganta de ouro" do Pantanal ecoar na passarela do samba

Lívia Gaertner em 13 de Fevereiro de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Durvalino, o "garganta de ouro" do Pantanal participou do grupo de intérpretes

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Imperatriz Corumbaense trouxe para a passarela a homenagem a um corumbaense bastante querido e talentoso. A alegoria do triciclo de mão que o homenageado se locomove por Corumbá é tão única quanto sua potente e afinada voz que encantou até grandes nomes da música do Brasil.

Durvalino, o Garganta de Ouro do Pantanal dá o Tom na Imperatriz” foi um enredo que reverenciou uma figura tão humilde como talentosa de Corumbá e que, somente por sua luta pela vida desde os primeiros anos de vida, merecia ser homenageado na maior festa popular da região.

Durvalino Leite da Silva nasceu em 1963 no bairro Cristo Redentor. Aos três anos de idade foi vítima de paralisia infantil, doença que quase o levou desse mundo, porém a fé da mãe dele, dona Erenice, em Nossa Senhora Aparecida, permitiu que ainda criança, mesmo com sequelas da doença, Durvalino seguisse sua vida como as demais crianças. Aos 19 anos descobriu o talento para a música e, desde então, foi se tornando conhecido na cidade.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Carro abre-alas mostrou a fé da mãe de Durvalino em Nossa Senhora Aparecida

O desfile da Imperatriz mostrou logo na comissão de frente, carro abre-alas, baianas e segunda ala a importância da figura da mãe Erenice, falecida em janeiro desse ano, na vida do homenageado, bem como a fé herdada dela em Nossa Senhora Aparecida.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Deyse e Valdevino, representou toda a angústia pela qual a família passou na esperança da recuperação do pequeno Durvalino. Intitulada de “dias e noites em claro”, a fantasia do casal tinha tons amarelo e azul. No segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira, um cadeirante evoluiu junto à parceira que carregava o pavilhão.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Rainha da bateria Cecília Sant'anna

Nos carros alegóricos, os locais onde o homenageado se apresentou rotineiramente como La Barranca e Cris Boate. Já nas alas, os estilos musicais preferidos de Durvalino: sertanejo e romântico. O time de futebol do coração, Flamengo, desfilou a cor rubro negra pela avenida.

A bateria conduzida pelo mestre Daniel veio fantasiada com roupas em tons marrom e dourado referenciou o grande cantor sertanejo. Já a rainha, Cecília Sant’anna veio como a “inspiração para cantar” em uma fantasia luxuosa, porém ela teve problemas com sua sandália ao longo do trajeto, mas, mesmo assim, ela passou arrancando aplausos do público.

O homenageado veio da forma que mais gosta: cantando. Ao lado do interprete oficial, Braguinha, Durvalino iniciou, ainda na concentração, o prelúdio do samba que fez muita gente cantar o trecho que referencia a mais famosa canção da dupla Milionário e José Rico, artistas que, na década de 80, ao conhecerem o corumbaense, o convidaram para seguir em viagem na caravana de cantores que percorria o Brasil.

Aliás, esse episódio da vida do Garganta de Ouro do Pantanal foi trazido no último carro alegórico, onde o estádio Arthur Marinho, local no qual ocorreu o show dos artistas nacionais aconteceu em Corumbá. Nesse mesmo carro, a alegoria do famoso triciclo com o qual Durvalino se desloca pela cidade.

Saiba mais

14/02/2018 Campeã, Liesco e Prefeitura já miram no carnaval 2019

14/02/2018 Mocidade da Nova Corumbá se consagra campeã com enredo sobre o povo cigano

13/02/2018 Em 6 décadas de folia, Império do Morro não poupou luxo para homenagear carnavalesco

13/02/2018 Império do Morro encerra desfile celebrando 60 anos de fundação

13/02/2018 Imperatriz homenageia Durvalino, o "garganta de ouro" do Pantanal

13/02/2018 Superando problemas, Unidos da Vila Mamona trouxe o medo para a passarela do samba

12/02/2018 Vila Mamona traz para a avenida enredo sobre o medo

12/02/2018 Festejando os 30 anos de carnaval, Marquês de Sapucaí prova que tem orgulho de sua história

12/02/2018 Marquês de Sapucaí comemora 30 anos de fundação

12/02/2018 Estação Primeira fez da passarela do samba palco para a dança de Ana Paula Honório

12/02/2018 Presidente da Liesco avalia grupo único como estímulo para as escolas de samba

12/02/2018 Estação Primeira inicia desfile e homenageia bailarina

12/02/2018 Caprichosos debocha da ambição em forma de protesto contra momento que país vive

12/02/2018 Caprichosos protesta contra a corrupção com bom humor

12/02/2018 Acadêmicos do Pantanal reverenciou escola de samba mais tradicional de Corumbá

12/02/2018 Acadêmicos do Pantanal inicia desfile em homenagem aos 60 anos da Império

12/02/2018 A Pesada emocionou com poder do amor e da gratidão pela Cidade Dom Bosco

11/02/2018 Terceira a desfilar, A Pesada traz a Cidade Dom Bosco para a avenida

11/02/2018 Com magia e força do povo cigano, Mocidade encanta entoando “Optchá”

11/02/2018 Começa o desfile da "caravana da alegria" da Mocidade da Nova Corumbá

11/02/2018 Entre arte, fé e festas populares, Major Gama reverenciou Tanabi na passarela do samba

11/02/2018 Major Gama vem para a avenida reverenciar ativista cultural Tanabi

11/02/2018 Corte de Momo abre o primeiro dia de desfile das escolas de samba de Corumbá

11/02/2018 Esplendor do Samba vai premiar escolas em onze quesitos e melhor apresentação

PUBLICIDADE