PUBLICIDADE

Aprovado, Programa Dinheiro Direto na Escola Municipal vai dar mais agilidade ao cotidiano escolar

Da Redação com Ascom Prefeitura de Corumbá em 24 de Novembro de 2021

Anderson Gallo/Arquivo Diário Corumbaense

Com aprovação de lei, gestores das escolas poderão resolver demandas com mais celeridade

A partir de 2022, as unidades da Rede Municipal de Educação (Reme) irão ter mais agilidade para promoverem pequenos reparos, limpeza, entre outras ações, importantes para o andamento do cotidiano escolar. O projeto de lei, que regulamenta o Programa Dinheiro Direto na Escola Municipal (PDDEM), foi enviado à Câmara de Corumbá pelo prefeito Marcelo Iunes e aprovado na sessão de terça-feira, 23.

Com a aprovação integral do texto, os diretores das escolas e centros e educação infantil passarão a gerir recurso que poderá ser utilizado ao longo do ano em demandas específicas contempladas na lei. São elas:

  • Manutenção e reparos de suas estruturas física, hidráulica, elétrica, bem como pequenas reformas;
  • Conservação preventiva e corretiva das Unidades;
  • Limpeza da área escolar;
  • Despesas contábeis e de registros oficiais;
  • Aquisição de materiais de consumo e permanentes;
  • Instalação e manutenção de ares-condicionados e demais equipamentos;
  • Aquisição de materiais de limpeza e higiene e de biossegurança e
  • Instalação e manutenção de equipamentos de segurança patrimonial.

De acordo com o secretário municipal de Educação, Genilson Canavarro de Abreu, a implantação do PDDEM é um marco na gestão escolar de Corumbá. “Sabemos que o processo para essas ações é bastante burocrático e passa por várias etapas que consomem tempo e, por vezes, agravando a situação instalada. A lei traz uma possibilidade mais célere, viável e legal para resolver demandas que se apresentam no dia a dia das escolas”, comentou.

Divulgação

Vereadores aprovaram projeto de lei na sessão de terça-feira

Pelo texto da lei, os repasses às unidades de ensino acontecerão através das suas respectivas Associações de Pais e Mestres em uma parcela anual, preferencialmente. Os valores variam de R$ 8 mil a R$ 20 mil, conforme a tipologia das escolas que é definida, entre outros critérios, por números de turma, alunos e turnos.

“A gente geralmente vê os professores, os alunos, a APM (Associação de Pais e Mestres) fazendo promoção, tirando dinheiro do bolso para pagar despesas pequenas nas escolas que, antes, tinham suprimento de fundos que pagavam essas despesas. Às vezes, a escola fica parada por um pequeno item que falta. Nós nos debruçamos sobre esse projeto de lei, estudamos e sabemos da importância que ele tem", declarou o vereador Roberto Façanha, presidente da Câmara de Corumbá, durante a sessão que aprovou o projeto de lei.

Com relação às prestações de contas, o texto estabelece que deverão observar a legislação pertinente às compras públicas e devem ser apresentadas à Secretaria Municipal de Educação até primeiro dia útil do mês de dezembro, do ano que a Unidade Escolar receber os recursos.

Ao todo, a Reme tem 41 unidades, entre escolas e centros de educação infantil, que atendem um público de cerca de 15 mil estudantes, em áreas urbana, rural e região das águas.

PUBLICIDADE