PUBLICIDADE

Delegado tem 30 dias para concluir inquérito de acidente que matou três na BR-262

Rosana Nunes em 06 de Junho de 2021

Reprodução Vídeo do Corpo de Bombeiros Militar

Trágico acidente aconteceu a cerca de 100 km de Corumbá, na região do Buraco das Piranhas

A Polícia Civil de Corumbá deve concluir o inquérito sobre o acidente que matou três pessoas na BR-262, em Corumbá, no prazo de 30 dias. O delegado Nicson Lenon Cruz Galisa é o responsável pela investigação e disse ao Diário Corumbaense que aguarda o laudo da Perícia sobre as circunstâncias da colisão. 

"Muito provavelmente foi o condutor do Jeep Renegade que entrou na mão da caminhonete Hilux, causando o choque frontal", afirmou. 

Sobre a suspeita de que o motorista do Jeep, placas de Minas Gerais, estaria levando o carro para a Bolívia, situação que tem ocorrido com frequência, de veículos locados em outros Estados e trazidos para a fronteira para serem vendidos no lado boliviano, o delegado relatou que não tem essa confirmação. "Se seria ou não, houve a extinção de possível responsabilidade criminal porque o condutor morreu. Mas, até o momento nenhuma locadora entrou em contato", frisou. 

O acidente

O trágico acidente aconteceu por volta das 07h40 de sábado (05), na região do Buraco das Piranhas, na BR-262, distante cerca de 100 quilômetros de Corumbá. 

Na caminhonete Hilux, que seguia para Campo Grande, estavam o conselheiro estadual da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Jansen Moussa; o filho dele, Matheus, de 08 anos e o amigo, José Roberto Faker, o “Bita”, de 38 anos. Eles voltavam de uma pescaria. 

Jansen foi o único sobrevivente, passou por cirurgia na Santa Casa de Corumbá e permanece internado. O corpo do menino Matheus foi sepultado nesta manhã em Campo Grande, onde também será velado e sepultado José Roberto, que era fisioterapeuta e comentarista de TV.

O corpo do motorista do Jeep Renegade, Gabriel Silva de Almeida, de 25 anos, já foi transladado para a cidade paulista de Itaquaquecetuba. 

PUBLICIDADE