PUBLICIDADE

Começa a Piracema e pesca está proibida nos rios de MS por quase quatro meses

Rosana Nunes em 05 de Novembro de 2020

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Proibição da pesca começou nesta quinta-feira e vai até 28 de fevereiro de 2021

A proibição da pesca para reprodução dos peixes começou na primeira hora desta quinta-feira, 05 de novembro, em todos os rios que cortam o território de Mato Grosso do Sul. Nesse período de Piracema, apenas a pesca de subsistência é permitida. O período reprodutivo da maioria das espécies de peixes das duas bacias que cortam o Estado (Paraná e Paraguai), se estenderá até o dia 28 de fevereiro de 2021.

De acordo com a Polícia Militar Ambiental (PMA), a estratégia de fiscalização seguirá monitorando os cardumes, principalmente nos pontos em que são mais vulneráveis à pesca predatória, que são as cachoeiras e corredeiras, onde serão montados postos fixos com policiais 24 horas.

A fiscalização ganha intensificação visto que não mais pescadores nos rios, a não ser aqueles que poderão praticar algumas modalidades de pesca, como a de subsistência e a científica, devidamente autorizada, bem como nos lagos das Usinas do rio Paraná, onde poderá haver pesca de peixes exóticos e não nativos da bacia.

O esquema especial de fiscalização conta com efetivo de 320 policiais nas 26 Subunidades em 20 municípios. Em uma lancha de grande porte repassada pelo Ministério Público Estadual (MPE) de Corumbá, em fase final de reforma pela Justiça do Trabalho, equipes vão se revezar para realizar fiscalização preventiva e repressiva especialmente na área de fronteira com o Paraguai e Bolívia, tanto no rio Paraguai, como no rio Apa e seus afluentes. Será também fiscalizada a região de divisa com o estado de Mato Grosso, pelo rio São Lourenço e Piquiri e também atenção especial à área do entorno do Parque Nacional do Pantanal.

A área de divisa MS/MT tem sido preocupação porque pescadores calculam que estão protegidos, por causa da grande distância e o difícil acesso de alguns locais no pantanal, na região. A lancha como Posto Itinerante será fundamental para a prevenção e repressão aos crimes ambientais nessa região.

Drones

Divulgação/PMA

Drones permitem à fiscalização a ampliação do monitoramento sem maior custo operacional

A tecnologia de drones que já foi utilizada durante a pesca aberta, também será fundamental durante o período de defeso, especialmente, para acompanhar os cardumes e para evitar pesca com petrechos ilegais em cachoeiras e corredeiras, pontos em que os cardumes ficam muito vulneráveis à pesca predatória. O uso desses aparelhos é importante na fiscalização, em virtude de que muitos pescadores que praticam pesca predatória possuem uma rede de informantes, para avisarem via telefone, quando os policiais saem para a fiscalização nos rios, o que torna difícil a prisão dos infratores. Os aparelhos permitem que policiais instalados em um Posto Fixo, possam monitorar outros pontos semelhantes, ou outros trechos no mesmo rio, com efetividade e redução de custo operacional.

Na operação Piracema de 2019-2020 foram presas 55 pessoas, 859 kg de pescado apreendidos e aplicados R$ 105 mil em multas.

PUBLICIDADE