PUBLICIDADE

Narcotraficante mais procurado da Bolívia é entregue à PF no Aeroporto de Corumbá

Leonardo Cabral em 29 de Novembro de 2019

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Pedro Montenegro (de bermuda) chegou escoltado por policias bolivianos e foi entregue a agentes da PF em Corumbá

Foi entregue no início da tarde desta sexta-feira, 29 de novembro, o narcotraficante boliviano Pedro Montenegro à Polícia brasileira. Um dos mais procurados no país vizinho, quando foragido, Pedro chegou em um helicóptero, no Aeroporto Internacional de Corumbá, escoltado por policiais bolivianos.

Depois de alguns minutos de espera, o narcotraficante, que permaneceu na aeronave o tempo todo, foi entregue para os policiais federais na própria pista do aeroporto.  

Duas viaturas da PF e uma da Força Nacional estiveram no local dando apoio à operação. O narcotraficante boliviano foi levado pelas autoridades brasileiras até a sede da Polícia Federal, no Centro da cidade. A PF informou apenas que "estão sendo tomadas as devidas medidas para sua inclusão no sistema penitenciário federal". 

O translado

Uma forte aparato policial foi montado em Santa Cruz de La Sierra para que Pedro Montenegro fosse extraditado até Corumbá. Ele estava na prisão de Palmasola, de onde seguiu para a base da Força Aérea Boliviana (FAB) no Aeroporto El Trompillo, em Santa Cruz, embarcando no helicóptero que o trouxe até Corumbá, fronteira com a Bolívia.

A resolução suprema que autorizou a entrega de Montenegro às autoridades brasileiras, por crimes relacionados ao narcotráfico, foi assinada no início de outubro, mas foi cumprida somente agora.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Montenegro foi levado para a sede da PF corumbaense, onde deve permanecer até determinação da Justiça

O advogado de Montenegro, Abril Góngora, disse à rádio El Deber que, ao chegar à prisão de Palmasola nesta sexta, ficou surpreso quando soube que seu cliente já tinha sido levado para o aeroporto de El Trompillo. Ele afirmou que o procedimento é irregular e que não foi notificado da ação judicial de extradição.

No Brasil

Pedro Montenegro é procurado por tráfico de cocaína e tem mandado de prisão internacional do Supremo Tribunal Federal para fins de extradição desde julho de 2015.

Pedro Montenegro está ligado a uma rede que em 2013 foi descoberta em São Paulo na operação "Monte Pollino", que foi deflagrada depois que policiais descobriram carregamento de 1,3 tonelada de cocaína enviada a um país europeu, avaliada em mais de 60 milhões de dólares, conforme aponta documentos judiciais que o El Deber teve acesso.

Reprodução/ El Deber

Montenegro se entregou em maio deste ano após ter sido considerado o narcotraficante mais procurado pela Justiça Boliviana

O "caso de Montenegro" começou a ser investigado na Bolívia em abril passado, depois que dois ex-chefes de polícia, o ex-comandante de Felcc, Gonzalo Medina, e o ex-capitão Fernando Moreira, se envolveram com um grupo de traficantes de drogas com quem compartilharam vida social e viagens de lazer.

O filho de Medina e o ex-oficial Moreira apareceram posando em uma foto com Pedro Montenegro em Cartagena, Colômbia, durante as festas de carnaval.

O coronel Medina, sendo diretor do Felcc de Santa Cruz, foi acusado de envolvimento na entrega de 40 quilos de cocaína via Panamá, junto com Moreira. Neste caso e em outras acusações, ambos estão em detenção preventiva desde maio de 2019, na Bolívia.

Considerado o narcotraficante mais procurado na Bolívia, Pedro Montenegro se entregou à Polícia em maio deste ano, depois de várias operações realizadas em Santa Cruz para prendê-lo. 

PUBLICIDADE