PUBLICIDADE

Perícia constata mais de 30 facadas em professora morta por ex-companheiro

Rosana Nunes em 10 de Março de 2019

Reprodução Facebook

Professora Nádia deixou duas filhas, de 09 e 15 anos

A professora Nádia Sol Neves Rondon, de 38 anos, levou mais de 30 facadas, constatou a perícia da Polícia Civil de Corumbá. Inicialmente a informação era de cerca de 20 golpes. O crime aconteceu neste domingo (10), dia do aniversário da vítima. 

Ela havia saído com amigas para comemorar o aniversário e quando retornou para casa, na alameda Adelina, bairro Universitário, foi atacada pelo ex-companheiro, Edevaldo Costa Leite, de 31 anos, que não aceitava o fim do relacionamento. Os golpes atingiram as costas, tórax, rosto e braços. Testemunhas ainda disseram que viram o homem arrastando a vítima pelos cabelos para a rua e logo acionaram a Polícia Militar.

Os bombeiros também foram chamados, prestaram o atendimento emergencial e depois a removeram para o pronto-socorro. Em seguida, a professora foi encaminhada para o centro cirúrgico da Santa Casa de Corumbá, mas não resistiu.  

Reprodução/Diário Corumbaense

Edevaldo Costa, autor do crime; momento em que ele se apresentou à Polícia, ainda usando camisa com marcas de sangue da vítima

Edevaldo Costa se apresentou no 1º Distrito Policial ainda pela manhã e foi preso por feminicídio, cuja pena varia de 12 a 30 anos de cadeia. Ele relatou que havia visto a professora com outra pessoa e isso teria motivado o crime. No entanto, amigos de Nádia contaram que ele já vinha perseguindo-a, chegou a furar os pneus do carro dela e foi visto rondando a casa da vítima, o que reforça a tese de crime premeditado. Ele está em uma das celas da delegacia e deve passar por audiência de custódia, quando a Justiça irá decidir se o mantém preso. 

Corpo vai para Campo Grande

A família de Nádia Sol mora em Campo Grande, cidade para onde o corpo será levado. Mas antes, por volta das 18h, amigos, colegas de trabalho e alunos, fazem o velório na capela Anjo da Paz, na rua Major Gama esquina com a Dom Aquino. Ainda esta noite, o corpo segue para a Capital.

Nádia era professora de Língua Portuguesa e Inglês nas escolas municipais Pedro Paulo de Medeiros e Isabel Corrêa. Antes, também foi servidora do Estado na Casa do Trabalhador de Corumbá.

Uma campanha de doação voluntária foi realizada para arcar com os custos do translado e o valor arrecadado já cobriu as despesas. Professores e amigos que encabeçaram a campanha, informaram que nenhum valor é mais arrecadado e que o dinheiro que sobrar será enviado para as filhas, de 15 e 09 anos, e a mãe da professora. A filha mais velha presenciou o crime bárbaro e ficou em estado de choque.

Duas manifestações contra o feminicídio estão marcadas para esta segunda-feira (11) em Corumbá. Uma delas é organizada pelo movimento Mulheres da Frente Brasil Popular, às 09h, em frente ao cemitério Santa Cruz, na rua Dom Aquino. 

Comentários:

Marcia Ferreira Lopes: Uma tristeza sem fim, uma indignaca cada vez que leio sobre uma barbárie dessas cometida como trabalho uma mulher. Parabéns aos vizinhos que acionaram à polícia e com os relatos de que ela já vinha sendo perseguida. Uma mulher morre, todas nós morremos. PAREM DE NOS MATAR!

PUBLICIDADE