PUBLICIDADE

Fogo no São Lourenço ameaça casas e escola; mais equipes seguem para a região

Leonardo Cabral em 23 de Setembro de 2020

Divulgação/Bombeiros

Focos de incêndio se concentram na Nova Morada da Barra do São Lourenço

Os focos de incêndio no Pantanal de Mato Grosso do Sul, que haviam dado uma trégua, voltaram com mais intensidade na região da Serra do Amolar. Mais bombeiros e brigadistas seguiram na manhã desta quarta-feira (23) para Nova Morada da Barra do São Lourenço, distante cerca de 150 km da cidade, onde a vegetação é consumida pelas chamas. As equipes se deslocam em navio do 6° Distrito Naval e devem chegar só no período da tarde àquela região.

Os focos de incêndio avançam em direção a comunidade, colocando em risco casas e até a escola, para onde famílias retiradas de suas moradias estão sendo abrigadas, conforme o 3° Grupamento de Bombeiros de Corumbá. Sete pessoas já foram retiradas durante a madrugada e manhã de ontem (22).

Divulgação/Bombeiros

Bombeiros e brigadistas seguiram em navio da Marinha para reforçar equipe

Conforme relato do 2° tenente bombeiro Pedro, que está na região, “o fogo ainda não foi controlado e a carga de incêndio é muito grande na região”, se referindo aos focos que avançam em direção às casas e escola e que estão sendo monitorados e combatidos pelas equipes de brigadistas e bombeiros de Corumbá e outras corporações do Estado e também do Paraná. Instituições e voluntários também reforçam a equipe.

Relatório Ibama/Prevfogo

As queimadas no Pantanal de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul já devastaram mais de 3 milhões de hectares, conforme aponta o relatório emitido na terça-feira, 22 de setembro, pelo Ibama/Prevfogo/Laboratório de aplicações de satélites ambientais. A situação mais crítica, até então, era no estado vizinho, mas novamente em Corumbá, as chamas voltaram a preocupar.

O relatório revela que só em Mato Grosso do Sul, 1.238.000 hectares foram consumidos pelas chamas. No Mato Grosso o total é de 1.941.000 hectares, totalizando 3.179.000 hectares devastados pelos focos de calor na maior planície alagada do Planeta, que sofre também com a forte estiagem. 

PUBLICIDADE