Acadêmicos do Pantanal reverenciará casal baluarte da “Verde e Rosa”

Lívia Gaertner em 25 de Janeiro de 2018

Fotos: Anderson Gallo/Diário Corumbaense

No barracão, equipes não param para dar conta de fantasias dos foliões

Se na Língua Portuguesa a palavra "meta" serve para exprimir algo que fala de si mesmo, podemos afirmar que não há adjetivo melhor do que "metacarnavalesco" para qualificar o desfile deste ano do Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos do Pantanal.

O enredo 2018 da escola cujo símbolo é o Tuiuiú faz uma homenagem às seis décadas de história da agremiação fundada pelo casal Venância e José Duarte que, na voz do povo, eram Dona Vena e Chá Ana. Carinhosamente chamada de “A Verde e Rosa de Corumbá” em referência às cores de seu pavilhão, a Império do Morro formou uma legião de foliões fervorosos ao longo do tempo.

“É uma ideia que há pelo menos dois anos vínhamos preparando para fazer essa homenagem. Com os 60 anos de criação, achamos a oportunidade para homenagear. Estamos desenvolvendo um enredo muito bonito, as coisas são simples, mas bonitas”, garantiu a carnavalesca Jackelyny Pazzolyny.

Sobre o saudoso casal fundador da escola por onde passaram e ainda passam nomes importantes no cenário da maior festa popular de Corumbá, a carnavalesca confessou ao Diário Corumbaense: “É uma grande honra falar de Venância Duarte e Chá Ana, mas ao mesmo tempo um pouquinho difícil porque são duas celebridades do Carnaval que deixaram a marca registrada deles. São pessoas que ficaram na memória e temos que saber passar ao público essa mensagem principalmente para as novas gerações”, observou Pazzolyny.

Jackelyny Pazzolyny avalia cada peça concluída em seus detalhes e acabamentos

Ela explicou que seu método de trabalho no barracão não encerra o poder criativo que a todo momento confere novidades ao pré-estipulado. “Conforme vamos fazendo, vamos criando mais coisas e está dando certo, apesar do tempo curto”, afirmou.

As referências à escola de samba Império do Morro não devem ficar apenas na dupla de cores verde e rosa, mas aparecerá na coroa, símbolo da agremiação, bem como na figura da porta-bandeira, cargo que a fundadora Venância, desempenhava durante os desfiles pela avenida General Rondon.

Lidar com toda essa carga emocional também está sendo um elemento a mais para a escola que já no samba composto por Nino Smith e Adelmo Luiz consegue mexer com os sentimentos dos que declaram amor à Verde e Rosa de Corumbá e se orgulham de sua história.

“Quando o samba chegou eu me emocionei ao escutar e falamos que ia pegar e está acontecendo isso, pegando na emoção dos corumbaenses, principalmente dos imperianos”, revelou Jackelyny ao destacar ainda que os descendentes do casal homenageado estarão presentes no desfile.

“Toda a família Duarte estará desfilando na escola com um carro que estamos construindo especialmente para eles”, disse ao confirmar também a volta de Carol Duarte à frente de uma bateria. Neta dos fundadores da  escola, Carol foi elevado ao posto de Musa do Carnaval de Corumbá de forma espontânea pela população devido a sua beleza e simpatia.

“Foi uma das madrinhas de bateria da Império e que se tornou um mito dentro de Corumbá. As pessoas esperavam para vê-la na avenida: crianças, adultos, todo mundo se rendia a seu carisma”, lembrou a carnavalesca.

A Acadêmicos do Pantanal é uma das dez escolas de samba de Corumbá que irão concorrer na 9ª edição do Esplendor do Samba, que em 2018 irá indicar 3 nomes por quesito e melhor escola de samba durante as duas noites de desfile. O prêmio, instituído pelo jornal Diário Corumbaense tem o objetivo de homenagear aqueles que fazem o carnaval da cidade ser um dos maiores e mais animados do País.

Grêmio Recreativo Escola de Samba "Acadêmicos do Pantanal"

Fundação: 25/07/2001

Presidente: Fernando Willian da Costa

Cores: verde, amarelo, azul e branco

Carnavalesco: Jackelyny Pazzolyny

Enredo: “A Pantanal é Verde e Rosa e Celebra um Amor Além do Carnaval”

Compositores do samba-enredo: Nino Smith e Adelmo Luiz

Intérprete: Levy Kelmo

Número de componentes: 850

Número de alas: 13

Número de carros alegóricos: 05

Componentes da bateria: 90

Porta-bandeira: Lúcia Baruki

Mestre-sala: Márcio

Rainha da bateria: Carol Duarte

Mestre de bateria: Igor Medeiros

Local de ensaios: Rua Joaquim Venceslau de Barros, 1100, bairro Aeroporto

Colocação em 2017:  3ª colocada no grupo de Acesso, com 157,1 pontos

Ordem de desfile em 2018: 4ª a desfilar no dia 11/02 (domingo)

Informações sobre fantasias: (67) 9-9868-2383

 

GRES Acadêmicos do Pantanal

Samba-enredo: "A Pantanal é Verde e Rosa e Celebra um Amor Além do Carnaval”

Autores: Nino Smith e Adelmo Luiz

Descendo o morro eu já posso imaginar...

A alegria do Rei...

É ver a porta-bandeira a girar.

Num gesto da mais alta nobreza,

A Academia vem te homenagear

Herdeiros da cultura popular

Unindo as nossas paixões

Para a vitória alcançar

 

Pode aplaudir,

Jogar confetes e serpentinas.

Nos salões sou pierrô e você a colombina

A festa é nossa, a festa é sua...

Apaixonados no meio da rua...

 

Não deixa o samba morrer...

A esperança é você...

No voar do Tuiuiú revivendo a história

Sessenta anos de glória.

Orgulho dos nossos sambistas, revelando talentos, artistas

Dos fundadores às novas gerações

No girar da Coroa, surgem novos campeões

A cada enredo, a cada melodia.

Reflete a nossa emoção

Lá do céu a iluminar...

Dona Venância e uma constelação.

 

Nessa avenida soltar o grito da garganta

É o que eu mais quero...

Me dá licença...

Hoje eu sou Império.

Se o morro foi feito de samba, se o samba é pra gente se amar...

 

Quando a Pantanal passar

Não se acanhe em chorar...

Somos Verde e Rosa

Deixa o povo cantar

 

PUBLICIDADE