PUBLICIDADE

Projeto quer despertar em estudantes o sentimento de ajudar o próximo

Leonardo Cabral em 23 de Abril de 2019

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Projeto é desenvolvido com alunos do ensino fundamental do Cenic

Fazer o bem, nos faz melhor ainda”. Com essa frase a professora de língua inglesa, Dalva Regina Molz Pereira, do Colégio Imaculada Conceição (Cenic), localizando no Centro de Corumbá, resume o projeto educacional “I am Super”, iniciado este ano, com os estudantes do ensino fundamental, numa forma de ajudar a despertar o sentimento de preocupação com o próximo.

“I am Super” tem como objetivo principal estimular os alunos a fazer ações que promovam o bem comum na comunidade, aflorando o espírito altruísta dos estudantes envolvidos. “É isso que buscamos, um olhar mais sensível para o próximo, que muitas vezes enfrentam dificuldades no dia a dia. Fazer com que eles possam ver além do que podem enxergar. O mundo das crianças é mágico e toda ação tem uma reação, sendo diretamente o reflexo delas diante da sociedade”, explicou a professora ao Diário Corumbaense.

Ela ainda faz questão de dizer, que o projeto com os alunos estimula também o lado “Super” das crianças. “Mostra que eles são capazes de ser o que quiserem como super-filhos, pessoas na sociedade e também como estudantes, pois isso reflete na vida social e educacional”, completou Dalva.

E uma forma de demonstrar essa preocupação com o próximo já rendeu palestra com militares do Corpo de Bombeiros, mostrando o trabalho de “heróis” que eles realizam e também a emocionante trajetória do cachorro “Bolinha”, que tem como dona a integrante da ACLAA (Associação Corumbaense e Ladarense de Apoio aos Animais), Valéria Curvo.

Em uma recente visita à escola, “Bolinha” emocionou e alertou os estudantes sobre a importância de ajuda aos animais em Corumbá, Ladário e região. Conforme a professora, quando se fala em ajudar o próximo, o ser inserido em geral para uma boa ação se estende a qualquer tipo de vida, seja um ser humano ou os animais.   

E foi assim, que Valéria Curvo entendeu e aceitou levar o cãozinho para o encontro com os estudantes. “É um projeto importante e extremamente necessário, pois incentiva nas crianças esse sentimento de se preocupar com o próximo, seja um ser humano, um animal ou o próprio ambiente em que estão inseridas. Falo pela história de vida do Bolinha, que sofreu muito, mas que hoje tem um lar e é bem cuidado. É necessário mais amor dentro da sociedade e começar desde pequeno é de supra necessidade, pois reflete no futuro delas enquanto cidadãs de bem”, declarou.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

"É preciso ajudar não se importando quem é ou como é", diz Julia

“Super” entusiasmada com o projeto, a estudante, Julia Gomes, que cursa o quarto ano do ensino fundamental, afirmou que ajudar as pessoas que precisam é necessário. "É preciso ajuda não se importando quem é ou como é. Todos precisam de alguma ajuda ou uma atenção. Gestos são fundamentais também. Fazer o bem para as pessoas dar o nosso máximo para que esses seres se sintam bem”, falou Julia.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Murilo Hernandes afirmou que é bom ajudar as pessoas e ser solidário

Já o colega de turma, Murilo Hernandes Rodrigues, afirmou que é muito bom ajudar as pessoas e ser solidário. “Já ajudei minha mãe nos afazeres de casa e em algumas outras coisas, bem como a minha avó. Também tive a oportunidade de ser 'super' com minha vizinha que precisou viajar e eu pude ajudar cuidando do cachorrinho dela, dando comida, água, enfim, precisamos ser bons”, afirmou.

Campanha da Fraternidade

O projeto “I am Super” surgiu através da Campanha da Fraternidade (CF) 2019, que traz o tema “Fraternidade e Políticas Públicas”. Nesta Campanha, desenvolvida mais intensamente no período da Quaresma, a Igreja Católica busca chamar a atenção dos cristãos para o tema das políticas públicas, ações e programas desenvolvidos pelo Estado para garantir e colocar em prática direitos que são previstos na Constituição Federal e em outras leis, estimulando a participação dos cristãos em políticas públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais da fraternidade.

Dentro desse contexto, a coordenadora da escola, Bruna Cardoso, revelou a este Diário, que o projeto tem como principal foco os alunos e a comunidade escolar, sendo que os trabalhos do projeto, alcançam estudantes da educação infantil até o 5º ano do ensino fundamental. 

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Cãozinho Bolinha foi um dos exemplos para o projeto educacional

“Queremos despertar nos alunos e na comunidade a importância do bem comum, apresentando para as crianças as vivências e, assim, propagando ações que façam a diferença na realidade daqueles que necessitam de ajuda”, mencionou Bruna, como a presença da cadelinha “Bolinha”, estimulando o bem para com os animais que resultam em ações.

Além de incentivar o bem, o projeto acaba mexendo com a imaginação dos estudantes. É o caso da aluna Giovana Chaparro Nóbrega, que acha o projeto interessante e muito legal. “A gente não tem que ajudar só as pessoas, também temos que ajudar os animais. Fiz um super-herói, eu mesmo que desenhei, e nele, vejo que juntos podemos ajudar as pessoas com boas ações. Eu gosto muito de participar e fazer as pessoas felizes”, contou a aluna.

O projeto “I am Super”, terá sua culminância no fim do ano, quando serão realizadas ações voltadas à sociedade, como arrecadação de cestas básicas para famílias carentes no período natalino, bem como arrecadações de materiais que possam ajudar a qualquer ser humano ou animal, mostrando assim, o verdadeiro sentido de ser tornar ou ser um “I am Super”.  

“Bolinha” e ACLAA

O amor de “Bolinha” cresceu quando ele foi colocado para adoção. Valéria Curvo conta que ele pertencia a uma família que procurou ajuda através da ACLAA e logo após a cirurgia que resultou na amputação de uma das patas, a família percebeu que o cachorro precisaria de mais atenção e ofereceu-o para adoção.

“Ele foi colocado para a adoção e com o tempo que ficou, foi ganhando meu carinho e amor. Daí pensei, se para uma pessoa que necessita de cuidados especiais, às vezes alguns alegam falta de tempo, imagina com um cachorro vira-lata e sem uma das patas. Não resisti e resolvi levá-lo para casa. Foi amor à primeira vista”, conta Valéria, que com a chegada de “Bolinha” já soma oito cachorros em sua residência.

Ela ainda faz questão de reforçar que o projeto “I am Super” traz esse alerta de que a preocupação com o próximo está ligado a uma vida e isso é direcionado aos animais também que são seres sensíveis e sentimentais como qualquer ser humano. “Vejo o empenho dos alunos e o gostar fluindo pouco a pouco. Ajudar o próximo, seja ele ser humano ou animal é válido e nada melhor do que começar com as nossas crianças”, opinou.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Bolinha foi acolhido por Valéria depois de perder uma das patas

A ACLAA foi criada para dar suporte aos animais abandonados, oferecendo desde o atendimento emergencial até tratamentos, onde existe convênio com clínicas da cidade que ajudam no tratamento dos animais, dependendo do caso. Para saber mais informações sobre a atuação da Associação Corumbaense e Ladarense de Apoio aos Animais (ACLAA), o telefone de contato é (67) 3231-4479 (Valéria) ou acessar a página do grupo no Facebook.

Além disso, interessados em doar, podem depositar na conta bancária da Agência do Banco do Brasil que é da associação: Agência: 0014-0 e conta corrente: 106491-6.

Qualquer valor é bem-vindo e fica à disposição dos serviços oferecidos pela associação, como resgate de animais abandonados, compra e doação de rações, gastos com veterinários em qualquer tipo de emergência, como cesária de emergência, castração entre outros serviços.

No momento, a ACLAA não está atendendo denúncias de maus-tratos, pois a falta de voluntariado não permite a atuação, o que respalda o interesse de pessoas que queiram fazer parte da associação de forma voluntária.

PUBLICIDADE