Festival de Curimbas em Corumbá credenciará vencedor para competição nacional

Lívia Gaertner em 17 de Agosto de 2017

Corumbá realiza no domingo, 20 de agosto, o II Festival de Curimbas do Pantanal, no Centro de Convenções, no Porto Geral. A partir da 08 horas, já estarão em exposição, imagens, vestuário e culinária associadas à umbanda, religião brasileira que sincretiza vários elementos.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Curimba vencedora receberá certificação para representar Corumbá no Festival Nacional

Segundo um dos organizadores do evento, Tel Cosme, delegado da SinFecams (Seccional Intermunicipal da Federação de Cultos Afro-brasileiros e Ameríndios de MS) em Corumbá, o evento, este ano, buscou ganhar uma projeção maior que o concurso de curimbas, agregando exposições, palestras, cartomancia e jogo de búzios a fim de mostrar ao público mais o universo ligado à religião.

“Infelizmente, ainda sofremos com o preconceito na sociedade. Muitos associam a umbanda a coisas negativas e é justamente o contrário. Junto a nossa religião estão muitos elementos culturais como a comida, a roupa, a dança, a música, por exemplo”, explicou Tel ao Diário Corumbaense.

De acordo com as regras do Festival, entram para a competição apenas curimbas inéditas que serão avaliadas por um corpo de jurados composto por sete pessoas que possuem, além da técnica musical, o conhecimento da religião. Eles avaliarão as composições em três elementos: letra, interpretação e apresentação. Cada curimba exigirá a apresentação com o figurino a caráter e será executada três vezes, uma a capela e duas com instrumentos.

A curimba vencedora receberá certificação para representar Corumbá no Festival Nacional, conhecido como Atabaque de Ouro, na cidade do Rio de Janeiro. Segundo o organizador, a apresentação competitiva deve se iniciar às 17 horas.

Do Brasil

A Umbanda é uma religião brasileira que sincretiza vários elementos, inclusive de outras religiões como o catolicismo, o espiritismo, as religiões afro-brasileiras e a religiosidade indígena. A palavra umbanda deriva de m’banda, que em quimbundo (idioma banto) significa “sacerdote” ou “curandeiro”. O dia 15 de novembro, já considerado pelos adeptos como a data do surgimento da Umbanda, foi oficializado no Brasil em 18 de maio de 2012 pela Lei 12.644.

A Curimba é a junção dos instrumentos de percussão e o canto ritualístico para os rituais da religião. O mais comum na Umbanda são os atabaques junto aos pontos cantados, mas vários terreiros ainda utilizam agogô, afoxé, chocalho, pandeiro, entre outros. Muito mais que simplesmente fazer música, a Curimba é um elemento importantíssimo para a sustentação da energia dos trabalhos.

PUBLICIDADE