PUBLICIDADE

Cirurgião dentista que foi vítima de homofobia é encontrado morto em Campo Grande

Campo Grande News em 14 de Outubro de 2021

Reprodução / CGNEWS

Gustavo foi vítima de homofobia após uma mulher recusar que ele aplicasse vacina da covid em sua filha

O cirurgião dentista Gustavo Lima, de 27 anos, vítima de homofobia que comoveu o País no mês de agosto, foi encontrado morto na madrugada desta quinta-feira (14). Gustavo, que lutava contra a depressão há anos, foi achado pelo irmão Adriano Lima, 34, na casa em que vivia com os pais, no bairro Rita Vieira, em Campo Grande.

“Perdi a minha vida, perdi tudo o que eu tinha, se alguém tivesse a oportunidade de ter um irmão como ele eu queria que todo mundo tivesse um pouco do Gustavo”, declarou o irmão ao Campo Grande News.

A mãe, muito abalada, não conseguiu falar com a reportagem. Foi ela quem deu força ao filho para denunciar a homofobia na fila da vacina, em Campo Grande.

Gustavo era residente da UBS do Coophavilla II e voluntário dos pontos de vacinação contra a covid-19 em Campo Grande. No dia 21 de agosto, no drive do Albano Franco, uma mulher recusou o atendimento dele, alegando que a filha adolescente não seria vacinada "por esse tipo de gente: um veado".

O caso virou manchete, foi discutido pela Câmara Municipal, Assembleia Legislativa e acabou repercutindo pelo Brasil.

“Aquilo deu uma reviravolta maior na vida dele, começou a tomar mais remédios, se sentiu muito triste. Mas ele sempre foi alguém que batalhou muito na vida, que lutou por muita gente. Por isso, ele voltou a trabalhar, voltou a vacinar, voltou a estudar e buscou forças para seguir em frente”, descreve o irmão.

Hoje, nas redes sociais, amigos e familiares lamentam a morte do profissional da saúde que, mesmo em meio aos desafios e ao crime de homofobia cometido contra ele, não abandonou a profissão.

Adriano diz que a família também prestou todo apoio necessário a Gustavo, mas não houve tempo de reverter a depressão. “Infelizmente ele não resistiu”, diz. “O que fica é o melhor irmão, um grande amigo, um grande profissional e um orgulho para a família”.

Gustavo era formado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Comentários:

lauzie mohamed xavier salazar: Esse "tipo de gente" homofóbica, deve ter nome divulgado. Pessoas de bem, como o Gustavo, são as que merecem mais respeito!

Helmut Martines da Silva: Infelizmente há falta de amor entre nós, seres "humanos". Você pode não gostar das escolhas das pessoas, porém o respeito é essencial em uma sociedade civilizada e instruída. Devemos ter mais empatia com o próximo, pois não conseguimos saber a realidade e os pensamentos do nosso semelhante. Que o nosso bom Deus conforte a família e amigos enlutados...

ANGELITA DA SILVEIRA HUPPES: Essa mulher tem que pagar pelo mal que fez a esse rapaz Ela é uma assassina Triste notícia Que Deus ajuda a família enlutada

PUBLICIDADE