PUBLICIDADE

Retorno das aulas na Reme de Corumbá é encarado como "super desafio"

Leonardo Cabral em 29 de Julho de 2021

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Gestores e professores estão finalizando os detalhes para o retorno dos alunos

A ansiedade também toma conta dos professores, alunos e pais de estudantes da Rede Municipal de Ensino de Corumbá, neste retorno às aulas presenciais, na próxima segunda-feira, 02 de agosto.

Todas as escolas estão sendo preparadas para esta acolhida considerada como um “super desafio”, desde a preparação dos educadores, equipe administrativa até a hora de receber os estudantes. O secretário Municipal de Educação, Genilson Canavarro de Abreu frisou o momento como tranquilo, mesmo ainda diante da pandemia.

“Estamos aguardando de forma tranquila, esperando esse momento de retorno às aulas e já passamos todas as situações para os gestores escolares. Treinamento foi feito com protocolos de biossegurança, preparando a escola para a acolhida das crianças que os pais autorizarem o retorno, que será de forma hibrida e remota, ou seja, os pais poderão solicitar que continue remoto se responsabilizando também pela retirada das atividades na escola e, de forma híbrida, dependendo da quantidade de alunos, neste primeiro momento de forma escalonada”, explicou Genilson ao Diário Corumbaense.

Em relação à aceitação ou não de alguns pais sobre o retorno dos filhos à sala de aula, o secretário esclareceu que, “caso a família queira continuar de forma remota pode optar, desde que faça a solicitação na escola e assine o Termo de Responsabilidade, se comprometendo a fazer o acompanhamento em casa e retirar as atividades impressas, quando chamada pela gestão escolar”.

O Termo de Responsabilidade é disponibilizado pela direção das escolas. Os pais assinam dizendo se querem ou não que os filhos retornem à escola. No caso de  Luciana Paula Lobo, que tem a filha de oito anos, matriculada na escola Municipal Barão do Rio Branco, ela foi até a unidade educacional, para assinar o não retorno da aluna.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Mãe de dois filhos, uma na Reme e outro na REE, Luciana Paula assinou Termo de Responsabilidade não autorizando volta às aulas presenciais

“Não está disponibilizada vacinação para eles e enquanto mãe, não me sinto segura com esse retorno. A gente já corre risco enquanto adulto mesmo vacinado. Eles nem vacinados foram. Meu filho mais velho, de 14 anos, que está na Rede Estadual de Ensino também não vai voltar. Eles não querem e eu não vou obrigá-los, pois não se sentem seguros também”, afirmou a mãe.

“Super desafio”

Ao Diário Corumbaense, o gestor da escola municipal Barão do Rio Branco, Paulo Cesar Lopes dos Santos, disse que o retorno segue as normas da Secretaria Municipal de Educação e dos Decretos Municipais. 

“Está tudo preparado dentro daquilo que está previsto, dentro das medidas de biossegurança que é o acolhimento dos alunos obedecendo o uso de máscaras, aferição de temperatura na chegada dos estudantes, tapete sintetizante, uso de álcool em gel, distanciamento; nas salas de aulas, professores a postos para fazer a acolhida, colocando os alunos em distanciamento social”, falou mencionando ainda que “mesmo que volte depois 100% dos alunos, nunca mais será como antes, será diferente, seguindo as orientações intensivas sobre os cuidados com a higiene. Como estamos lidando com uma situação do vírus que sofre mutação e a ciência ainda está investindo em pesquisa, para ter mais detalhes e poder apresentar maior eficácia no combate à doença, temos que encarar a situação como novo desafio, para demandar nossos alunos, mantendo a segurança”, completou. 

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Salas de aula estão demarcadas com espaçamento e informações sobre medidas de biossegurança

Ele ainda reforçou que existe a questão das bandeiras que classificam os municípios em relação ao enfrentamento a doença. Neste primeiro momento, Corumbá está na bandeira vermelha, conforme o Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança da Economia). “A escola conta com 800 alunos em 15 salas de aulas. Todas irão funcionar em escalonamento, seguindo as recomendações", reforçou o gestor. 

Professores também estão ansiosos e cautelosos, caso da educadora, Marisa Espósito Nogueira de Lima, que atua como professora há 30 anos.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Professores se mostram cautelosos neste retorno presencial

Ela diz que contraiu a covid-19, ficou mais de seis dias internada, tendo 75% dos pulmões comprometidos, mas que, com muita força, conseguiu vencer a batalha contra a doença. “Encaro como um novo desafio e preocupação de como vai ser o momento, pois além de trabalhar a parte pedagógica, terei que ter mais atenção na parte do cuidar em relação às mediadas de segurança”, frisou.

Marisa também reforçou sobre a experiência de estar vivenciando este momento depois de tantos anos dentro da sala de aula.

“É uma situação nova e diferente, infelizmente não vamos poder abraçar os alunos, como fazíamos no início das aulas, estamos ansioso sim, com essa nova jornada. Temos que estar preparados para esse momento. Acredito esse retorno é um desafio, uma experiência única de troca de aprendizado entre todos nós”, falou a professora.

Outra professora, Telma Suarez Arteaga, que leciona no 5° ano do Ensino Fundamental, acredita que a volta às aulas será de forma positiva. 

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Telma Suarez diz estar preparada para o acolhimento dos estudantes

“Para que o sistema hibrido funcione bem, estamos trabalhando com quatro frentes: segurança, acolhimento, parte pedagógica e a equidade entre os alunos. Acredito que vai ser bom para todos. É uma experiência nova, retorno que vai ser novo, uma nova forma de se comunicar. O quanto antes pudermos passar essas orientações, acredito que com o tempo, tudo vai se ajeitando”, destacou Telma.

O ensino híbrido é a modalidade que combina práticas presenciais e remotas, por meio do uso de ferramentas digitais. Nesse modelo, o estudante pode ter acesso a aulas online ou presenciais, já que a combinação delas pode estimular uma maior capacidade e interação social nos alunos.

Corumbá tem aproximadamente 15 mil alunos matriculados nas 41 escolas das zonas urbana e rural.

PUBLICIDADE