PUBLICIDADE

Combate intenso e chuva extinguem maioria das queimadas no Pantanal

Silvio Andrade, da Assecom Governo de MS em 15 de Outubro de 2020

Divulgação

Levantamento aponta que 27% do bioma Pantanal em MS e MT foram destruídos pelas chamas

Com bombeiros e brigadistas ainda em combate aos focos de calor que se concentram já com menos intensidade no Pantanal, a chegada das chuvas na região eliminou a maioria dos incêndios florestais. No entanto, a força-tarefa montada pelo Governo do Estado redobra a vigilância em toda a área considerada crítica para garantir com segurança a extinção do fogo, que destruiu mais de 27% da planície pantaneira desde janeiro deste ano.

O controle dos incêndios, com a ação intensiva da Operação Pantanal e a contribuição das chuvas, foi anunciado pelo secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Alimentar), durante live na tarde desta quinta-feira (150. “São notícias que todos aguardavam, mas fica o alerta quanto à importância do monitoramento dos focos extintos, nos próximos dias, para evitarmos uma reincidência”, frisou.

Relatório apresentado pelo tenente-coronel Moreira, do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, aponta registro de focos de calor no entorno de Corumbá e Ladário e nas regiões do Rio Negro e na divisa do Estado com Mato Grosso, onde choveu na tarde desta quinta-feira. As chuvas contribuíram para extinguir os incêndios no Parque Estadual de Ivinhema, onde houve combate intenso com apoio de aviões Air Tractor nos últimos dias.

Plano de ação para 2021

O secretário Jaime Verruck agradeceu as ações de combate e prevenção ao fogo coordenadas pelo Corpo de Bombeiros do Estado e Marinha,  em nome do governador Reinaldo Azambuja. Foram mais de 400 homens e mulheres à frente das chamas. Também agradeceu o apoio do governo federal e dos estados do Paraná e Santa Catarina e do Distrito Federal, que enviaram tropas de combate.

“A ajuda da União, com recursos financeiros e a presença da Força Nacional, e dos estados, foi fundamental para os resultados excepcionais alcançados”, afirmou o secretário. Ele observou que se fosse estimada também a área não queimada no Pantanal, e não apenas a destruída pelo fogo, “com certeza seria expressiva e demonstraria a eficácia da força-tarefa e as ações integradas por várias forças de combate no período mais crítico da estiagem extrema”.

Verruck reforçou que o Governo do Estado já trabalha a formatação de um plano de trabalho preventivo de combate e controle aos focos de calor em 2021, por meio de uma força permanente com toda estrutura proposta pelo governador Reinaldo Azambuja ao ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente. “Não podemos evitar o fogo, mas criando uma base com toda estrutura e ações conjuntas e eficazes certamente vamos conseguir êxito”, disse.

PUBLICIDADE