PUBLICIDADE

Justiça marca para 21 de outubro júri popular de acusado de matar a professora Nádia Sol

Rosana Nunes em 22 de Setembro de 2020

Reprodução/Facebook

Professora Nádia foi morta com 36 facadas; Edevaldo a perseguia por não aceitar a separação

Está marcado para o dia 21 de outubro, às 13h30, no Tribunal do Júri do Fórum de Corumbá, o julgamento de Edevaldo Costa Leite, de 32 anos, réu confesso do assassinato da professora Nádia Sol Neves, no dia 10 de março de 2019, por não aceitar a separação. O crime aconteceu no dia em que ela completou 38 anos, na Alameda Adelina, bairro Universitário. 

Edevaldo esperou a vítima chegar em casa e a surpreendeu. Houve uma discussão e ele pegou uma faca que estava no batente da janela e desferiu 36 facadas na professora. Os golpes atingiram as costas, tórax, rosto e braços de Nádia.

Testemunhas ainda disseram que viram o homem arrastando a vítima pelos cabelos para a rua e logo acionaram a Polícia Militar. Os bombeiros também foram chamados, prestaram o atendimento emergencial e depois a removeram para o pronto-socorro. Em seguida, Nádia foi encaminhada para o centro cirúrgico da Santa Casa de Corumbá, mas não resistiu. Ela deixou duas filhas.

O crime brutal chocou a população. Edevaldo se apresentou à Polícia Civil, foi indiciado por feminicídio e está preso no Estabelecimento Penal Masculino. Ele vai a júri popular e pode pegar de 12 a 30 anos de prisão. 

A data do julgamento foi publicada no dia 16 de setembro, do Diário Oficial da Justiça. Todos os protocolos de prevenção à covid-19 vão ser seguidos durante o júri. 

PUBLICIDADE