PUBLICIDADE

Chuva de 9 milímetros ameniza calor e ajuda no combate a incêndios florestais

Leonardo Cabral em 22 de Setembro de 2020

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Chuva caiu desde a madrugada, mas calor deve voltar amanhã

Após enfrentar clima seco e sol forte, com os termômetros chegando à casa dos 40ºC e sensação térmica beirando os 50°C, quando Corumbá registrou a maior temperatura do ano, finalmente a esperada chuva chegou na madrugada desta terça-feira, 22 de setembro.

Não chovia em Corumbá há cerca de um mês, sendo a última precipitação entre os dias 16 e 17 de agosto. A a chuva foi de 9,2 milímetros, conforme a estação meteorológica da Uniderp/Anhanguera, mas o calor deve voltar na quarta-feira (23).  

Corumbá vem sofrendo com as queimadas no Pantanal e também em áreas que ficam próximas a zona urbana. Conforme relatório do Ibama/PrevFogo, cerca de 1.165.000 de hectares já foram devastados pelos focos de incêndios no Pantanal de Corumbá, em Mato Grosso do Sul, de acordo com o relatório emitido semanalmente.

Ibama/Prevfogo

Fogo na região do Porto da Manga na noite de ontem

Para conter as chamas, militares dos bombeiros do Estado e do Paraná, além de brigadistas do Prevfogo, estão atuando no combate. Na manhã de hoje (22), cinco brigadistas do Prevfogo, se deslocaram para a Serra do Amolar, para se juntarem às equipes e conter as chamas na Barra do São Lourenço.  “Nesse local, o fogo oferece risco a moradores da região”, mencionou o analista ambiental do Ibama/Prevfogo, Alexandre Pereira.

Ele também falou que na noite de ontem (21) os trabalhos prosseguiram no Porto da Manga, onde também há focos de incêndios. “Nesse local, a dificuldades de acesso foi predominante para a não extinção desse foco, bem como as condições de navegabilidade do rio e ventos fortes, pois colocava em risco a equipe. Iremos voltar nessa região hoje também”, explicou frisando novamente que “a chuva ajuda a diminuir a temperatura e aumentar a umidade relativa do ar. Como consequência, também aumenta a umidade do solo, ou seja, isso faz com que os incêndios florestais diminuam de intensidade e facilitem o controle, o combate e sua extinção também”, completou.

Divulgação/Ibama/Prevfogo

Equipes atuaram no combate às chamas na noite de segunda-feira

O Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec) observa que embora os volumes sejam baixos e de fraca intensidade – são esperados acumulados de até 10 milímetros de chuva - haverá uma mudança significativa no tempo, inclusive da umidade relativa do ar que aumenta em todas as áreas.

Queimadas

Corumbá segue liderando o ranking de municípios com maior número de queimadas do Brasil. Já são 5.165 focos registrados no município durante esses nove meses do ano.

Nos vinte e dois dias de setembro, a cidade soma 771 focos. Já o Bioma Pantaneiro, tem 16.119, maior queimada da história nas últimas duas décadas.  

PUBLICIDADE