Coronavírus - o inimigo invisível

Coluna Coisas da Língua, com Rosangela Villa(*) em 16 de Março de 2020

Caros leitores

Após o intervalo das férias escolares e do carnaval, retomamos nossa conversa nesta coluna. Agradeço ao Jornal Diário Corumbaense a confiança na cedência do espaço, registrando que em setembro comemoraremos oito anos de parceria. O momento é de agradecer também aos leitores que nos acompanham, enviam sugestão de assunto e nos escrevem ou telefonam para tirar dúvidas.

Caríssimos, o nosso tema de hoje é preocupante, pois trata de uma nova ameça à saúde das pessoas, o coronavírus. Contudo, nossos registros indicam que os primeiros meses do ano, no Brasil, têm sido marcados pela dor e sofrimento. Para além das intensas chuvas que provocam tragédias de vários tipos, potencializadas pelo descaso do governo e por descuido da população, ainda temos na memória episódios que chocaram o país no ano passado: o rompimento da barragem Mina Feijão, em Brumadinho, MG, o incêndio no centro de treinamento do Flamengo, o massacre na escola de Suzano, SP, assim como a dengue ainda muito presente.

Em janeiro, ainda nos recordamos com pesar do incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, no RS, catástrofe provocada pela imprudência e más condições de segurança no local. Amigos, se formos analisar esses fatos, separadamente ou em conjunto, certamente encontraremos negligência e desrespeito atrelado a tudo isso. Mas, neste ano, fomos surpreendidos com um outro tipo de inimigo, o coronavírus, ou COVID-19, um mal silencioso que se alastra velozmente pelos 5 continentes, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declará-lo uma pandemia.

O cenário internacional é caótico e de insegurança, agravado por informações alarmistas e por falsas notícias disseminadas pelas redes sociais. Convém ponderar que, para evitar o contágio do vírus, só lavar as mãos, cobrir a boca ao tossir, e evitar o toque ao cumprimentar as pessoas não é suficiente. É preciso também cuidar dos outros, principalmente daqueles mais vulneráveis, os idosos. A mesma atenção que devemos ter com os demais indivíduos também se aplica no combate a um inimigo bem mais comum e letal para todos, o mosquito da dengue. E a limpeza do ambiente é a prevenção mais eficaz nessa situação.

É preciso ainda proteger as pessoas e o local onde moramos para, assim, evitar ameaças visíveis e invisíveis à vida. Caríssimos, apesar dos fatos assustadores sobre o coronavírus, que marcam esse momento no Brasil e no mundo, gostaríamos de desejar a todos, fé, e, sobretudo, força e união para que a nossa esperança em dias melhores não se abata em meio ao alarmismo e notícias falsas, que em nada ajudam. Boa semana a todos.

(*) Rosangela Villa é professora associada da UFMS e colaboradora do Diário Corumbaense.