PUBLICIDADE

Operação conjunta visa combate a crimes na região de fronteira

Leonardo Cabral em 29 de Agosto de 2019

Divulgação

Em Corumbá e Ladário, foram apreendidos revólveres, munições e dinheiro

Quatorze mandados de busca e apreensão em pontos de distribuição de entorpecentes, conhecidos como “bocas de fumo" foram cumpridos nas cidades pantaneiras, sendo sete em Ladário e sete em Corumbá, bem como vários mandados de prisão contra foragidos da Justiça. Até agora são 15 presos nos dois municípios, além da apreensão de armas de fogo, munições, drogas, celulares, um veículo com registro de roubo e dinheiro.

As armas e munições estavam em uma casa em Corumbá e seriam vendidas por um homem de 26 anos por R$ 1 mil cada. Com ele, foram apreendidos dua pistolas e um revólver, além de dois carregadores de munição e 144 munições de diversos calibres. A quantia de R$ 1.928,00, de duas outras armas vendidas, também foi apreendida. 

A ação faz parte da operação Fronteira Segura Pantanal, deflagrada nesta quinta-feira, 29 de agosto, pelo Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira e Divisas (GGIFRON/DIV), ligado à Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), que também acontece simultaneamente em Miranda, Anastácio, Aquidauana e Dois Irmãos do Buriti. 

A operação tem como objetivo ações integradas de cumprimento de mandados judiciais em locais previamente catalogados pelo setor de inteligência como pontos de distribuição de entorpecentes. Simultaneamente, outras atividades de fiscalização têm sido efetivadas, entre elas: ações contra foragidos da Justiça, blitz de trânsito nas principais ruas e avenidas da cidade, bloqueios estratégicos nas estradas vicinais, rodovias estaduais e federais, tudo focando na redução dos índices de criminalidade nas áreas urbanas dos municípios de abrangência da operação.

A ação ainda traz o combate aos crimes transfronteiriços como contrabando, descaminho, tráfico de entorpecentes, entre outros, que utilizam as estradas de  Mato Grosso do Sul, como corredor da droga aos grandes centros dos demais Estados brasileiros.

Leonardo Cabral/ Diário Corumbaense

Secretário executivo do gabinete, coronel Edimilson de Oliveira Ribeiro

O coronel da Polícia Militar, Edimilson de Oliveira Ribeiro, secretário executivo do Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira, informou que do lado brasileiro participam órgãos federais, estaduais, municipais e das Forças Armadas. “É uma operação com inúmeras ações, com pontos de bloqueios nos municípios de abrangência, que tem como objetivo a redução de crimes de roubos e furtos nestas localidades”, disse.

Ele ainda ressaltou que a operação, que teve início nesta quinta, não tem data para terminar e também conta com a participação da Polícia Nacional da Bolívia. “Não temos uma data especifica para terminar e como é uma operação que visa a segurança nas regiões de fronteira, a Polícia Boliviana também realiza algumas ações contra o crime no país vizinho, nas cidades fronteiriças”, declarou.

Para o tenente-coronel Massilon de Oliveira Silva Neto, comandante do 6° Batalhão da Polícia Militar em Corumbá, a operação é de extrema importância, ainda mais por se tratar de uma área de fronteira. “Envolve todas as forças de segurança e com isso, traz a sensação de segurança para a nossa população. De início, a Polícia Militar, que integra os trabalhos iniciados nas primeiras horas do dia, já realizou cumprimentos de diversos mandados de busca e apreensão nas áreas urbanas de Corumbá e Ladário, bem como na região do distrito de Albuquerque”, revelou.

Leonardo Cabral/ Diário Corumbaense

Comandante do 6° BPM, Silva Neto e delegado regional da PC, Alex Sandro

Já o delegado regional da Polícia Civil, Alex Sandro Antonio Peixoto, destacou que os trabalhos que culminaram na operação deflagrada, tiveram início com a apuração da equipe de inteligência de todos os órgãos envolvidos há cerca de 30 dias.

“Foi feito um levantamento dos locais que estavam ocorrendo esses crimes, culminando em várias buscas e apreensões junto ao poder judiciário nas duas cidades. O trabalho conjunto entre os órgãos de segurança resulta no combate aos crimes em nossa região, tirando do meio social pessoas responsáveis por esses crimes, devolvendo a tranquilidade à população”, destacou o delegado regional frisando que o trabalho das Polícias é diário.

O Diário Corumbaense acompanhou uma das equipes, logo nas primeiras horas do dia, onde um homem que não teve a identidade revelada, morador do bairro Popular Velha, foi conduzido para a Delegacia. Depois desse local, a equipe de policiais integrada pela PRF, Guarda Municipal e policiais civis, se deslocou para uma residência no bairro Aeroporto, mas nada foi encontrado. A mesma equipe foi para o residencial Buriti, bairro Jardim dos Estados, para cumprir mandado de busca e apreensão em um dos apartamentos.  

Fronteira com a Bolívia

Na faixa de fronteira entre Corumbá e Bolívia, no Posto Esdras, militares do Exército Brasileiro também dão apoio à fiscalização na operação Fronteira Segura Pantanal. Carros de ambos os países são abordados.

Leonardo Cabral/ Diário Corumbaense

Na faixa de fronteira que separa Corumbá da Bolívia, Exército Brasileiro realiza fiscalização no Esdras

Também, do outro lado da fronteira, policiais bolivianos fazem barreiras de fiscalização junto aos condutores. O coronel Henry Arancibia, comandante da Polícia Boliviana, destacou a integração dos órgãos de segurança entre Brasil e Bolívia. “Evidentemente o trabalho coordenado entre as Polícias é para garantir a segurança para os cidadãos que circulam na faixa de fronteira, seja ele brasileiro ou boliviano. A operação tem como intuito prevenir qualquer tipo de delito que possa ocorrer em ambos os países. Desde a cidade de Carmen Rivero Torrez até Puerto Suárez, nossos policiais estão efetivando a fiscalização”, revelou o coronel.

Integram a operação Fronteira Segura Pantanal as Polícias Civil, Militar, Rodoviária Federal, Receita Federal, Polícia Federal, Guarda Municipal, DOF, Força Nacional, Polícia Militar Ambiental, Corpo de Bombeiros, Secretaria Municipal de Segurança Pública de Corumbá, Exército Brasileiro, Marinha do Brasil e Polícia Nacional da Bolívia. (matéria editada para atualização de informação)

PUBLICIDADE