PUBLICIDADE

Corrupção – passividade ou cumplicidade nossa?

Coluna Ampla Visão, com Manoel Afonso em 04 de Maio de 2018

SOCORRO!!!  A preocupação às vésperas das eleições para as câmaras municipais se repete no pleito que irá definir a composição da Assembleia Legislativa para o próximo quadriênio. Aferindo o potencial de alguns nomes  que aparecem em pesquisas  infladas ou não, fica a nítida impressão de que  o eleitor, em matéria de conscientização deixa a desejar. É a passividade que desemboca na cumplicidade.

Ô COITADOS!  Depois do deputado Paulo Maluf (PP) ir pra casa, é a vez de outro ‘benemérito’: o ex-deputado ( 11 mandatos) Henrique Alves (MDB).  O ex-deputado Eduardo Cunha (MDB) e o ex-ministro Geddel V. Lima (MDB) também querem. Mas a exemplo de Sérgio Cabral MDB (ex-governador do Rio) terão que esperar um pouco mais até a mídia esquecê-los.  Esse é o país que eu quero?

MAIS UMA  O MDB estadual anuncia evento na capital com distribuição de formulário para o eleitor registrar seus anseios administrativos. Pura encenação para  se tentar fugir da mesmice, daqueles mesmos personagens e discursos.  O eleitor  presente já é comprometido, carimbado, em busca de vantagem pessoal. Discutir a transparência e o combate a corrupção seria bem mais interessante.  Fica a sugestão.

SEM SAÍDA?  Cresce o número de quem admite votar  no deputado Jair Bolsonaro (PSL), esquecendo que ele é somente reflexo da pressão moral e emocional  no trato de desafios sociais como segurança, corrupção, tráfico de drogas e criminalidade. Age como o religioso de curas impossíveis e que vai exorcizar o demônio. Mas o ex-ministro  do STF Joaquim Barboza (PSB)  também sonha com o Planalto. Pelo visto sarou das ‘terríveis dores nas costas’ que o levaram a renunciar aos 11 anos restantes do cargo.  

PASMEM!   Bolsonaro (PSL) é o segundo  menos rejeitado de uma lista de 6 nomes: 49,6% contra 45,5% do ex-ministro Joaquim Barbosa (PSB) em pesquisa recente onde aparecem o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e ex-senadora Marina Silva (Rede). A amostra é do Instituto Paraná, registro BR 2853/2018 no TSE.

ENCURRALADOS  A  crise é tal que não há dentre os 513 deputados federais e os 81 senadores um nome que os agregue num projeto nacional. Aliás, na pesquisa do Fórum Econômico Mundial em 137 países, os nossos políticos foram tidos como os menos confiáveis.  Paralelamente  a essa carência, o país assiste as dificuldades da ‘Lava Jato’ em avançar contra a corrupção. O Judiciário  recorre às normas inadmissíveis em países sérios do Primeiro Mundo.   

PERGUNTAS  ainda sem respostas. Quem o ex-prefeito de Campo Grande Alcides Bernal ( PP) apoiará para o Governo Estadual? Deflagrada a campanha eleitoral o ex-juiz Odilon de Oliveira (PDT) ampliará a liderança ou desabará nas pesquisas?  Deputada Tereza Cristina (DEM) ou Edson Giroto ( PR): qual deles receberá o apoio direto de Carlos Marun? ( ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República)

EM TEMPO  O ministro Carlos Marun (MDB) é ‘peso pesado’ também nas urnas e seu cacife eleitoral – que presume-se intacto - é invejável. Elegeu-se com 91.816 votos no pleito de 2014, contingente capaz de lotar 1.836 ônibus com 50 poltronas cada.  Agora,  com a  caneta ( torneira das emendas) generosa  quer deixar sua marca rumo talvez ao Tribunal de Contas da União ou até cultivar soja no Piauí. Quem sabe!  

TRANSFERIR  prestígio é um desafio. Inclusive especula-se  a eventual influência positiva do ministro Marun na candidatura do ex-governador André Puccinelli (MDB). Como se sabe, Marun alçou todos os degraus da política pelas mãos de Puccinelli  e agora seria a vez da retribuição. Confirmar essa hipótese seria prematura pelo clima de insegurança jurídica e eventuais estragos da ‘Lava Jato’ ou da ‘Lama Asfáltica’.

SINTONIA  Filiado ao PSD o ex-deputado estadual Londres Machado continua  ativo. Na última quinta-feira, ele esteve com  Dirceu Lanzari, subsecretário de Assuntos Institucionais do Governo Estadual. Em pauta, a sucessão estadual - ambos são líderes interioranos. Lanzarini foi prefeito de Amambai por 3 vezes e com excelente aceitação na fronteira e no Cone Sul.

NO ALTAR?   Se dependesse dos deputados estaduais do MDB, a aliança do partido com o PSDB já seria ‘fava contada’. Eles fazem os cálculos e a incerteza nas urnas  é incontestável. Querem a proteção do ‘guarda chuva’  para garantir mais um mandato. Sobre isso, ouvi no saguão da Assembleia Legislativa observação  curiosa: a relação do governador Reinaldo (PSDB) com os emedebistas é tranquila, mas o entrave seria o ex-governador Puccinelli (MDB).  Perguntar não ofende: “consultaram  o eleitor?”

GAVETA A tese de que os políticos investigados  temiam o fim do foro privilegiado deve ser vista com reservas. Boa parte deles, pelos favores ou boas relações com o Judiciário de seus Estados,  não teriam dificuldade de cobrar do poder de toga a  reciprocidade.  O senador Aécio Neves ( PSDB) pode até renunciar ao mandato e escapar da cadeia com o processo correndo em Minas Gerais, onde tem bala na agulha.

ENFIM... também nas justiças estaduais não faltam colete salva-vidas para os políticos de todos os partidos, como uma espécie de gratidão. Afinal, em algumas situações que envolvem repasses e outros interesses do Judiciário, a necessidade do aval do poder político se faz presente. Mas eu lembro que o eleitor – sério ou sacana – enxerga essa realidade.

QUERO MAIS...  Assim pode ser definido o gosto do homem pelo poder, desde em que o mundo é mundo.  Pois é! Das 513 ‘excelências’ na Câmara Federal, 447 já disseram que disputarão a reeleição, 18  ainda estão indecisas e 48 resolveram  desistir.  Daqui, só os deputados Carlos Marun (MDB) e Zeca do PT não tentarão a reeleição. Portanto, nem sempre se confirma a tese de que a safra de políticos – como os perus – se renova sempre, embora ambos fazem glu-glu.

NOTA 10  Foi gratificante participar como entrevistado do programa ‘Papo de Redação’ na Rádio CBN-Campo Grande. Por quase uma hora debatemos com os colegas Otávio Neto e Lucas Mamédio assuntos relacionados à política local e nacional. Um papo sem censura onde  manifestamos nossa opinião acumulada na experiência pessoal de 50 anos de jornalismo. O programa, está disponível  no Facebook da emissora.

VITIMIZAÇÃO  Fenômeno verificado também no cenário eleitoral. É o  que ocorre agora com o ex-presidente Lula ainda preso. Perguntado pelo jornalista Otávio Neto (CBN) se o mesmo caso não se aplicaria ao ex-governador Puccinelli (MDB) - ponderei: o eleitor do ex-presidente é da classe baixa, beneficiado pelos seus projetos sociais. Já o eleitor do ex-governador é na sua maioria da classe média, que paga a conta e tem outros critérios de avaliação.

PERA LÁ...  O Governo Lula emprestou dinheiro à Venezuela e Moçambique que  deram o calote. Agora o Congresso corta a verba do seguro desemprego para cobrir o buraco do BNDES. O ideal seria descontar a dívida R$ 1,164 bilhão do Fundo Partidário do PT. O pior foi o ministro Carlos Marun (MDB)– da Secretaria do Governo -  comemorar dizendo: “Foi uma vitória do bom senso”.  Eu diria que foi uma ‘Vitória de Pirro’.  Deslumbrado com o cargo, o ministro fala muito e às vezes é inconveniente.

O BRASIL está zonzo.  Os números inflados das pesquisas não refletem a realidade. A  inflação em baixa não compensa a desaceleração da economia. A iniciativa privada  é quem paga essa conta salgada da carga tributária. Em qualquer cenário ou debate uma   pergunta: quem é que está lucrando além dos bancos?  E será que a bola mágica do Neymar  na Copa da Rússia conseguirá reverter esse baixo astral antes das eleições?

‘A MINA’  No papo com o colega Mansour Elias Karmouche, presidente da OAB/MS, a questão dos efeitos do julgamento em 2ª Instância. Reafirmou a posição alinhada ao STF, mas admitiu que os altos honorários pagos aos advogados fomentam doutrinas e recursos de efeitos práticos discutíveis. Enfim, é a advocacia surfando em plena crise.

NÃO PERTUBE  Embora a regra do TSE fosse válida desde 2014, só agora o TSF sacramentou através da decisão do relator Edson Fachin e de mais sete ministros proibindo o uso do telemarketing na propaganda eleitoral.  A norma fora contestada pelo PT do B sob o argumento que a proibição fere a liberdade dos candidatos. Um incômodo a menos para o eleitor.

PONTO FINAL   Será que o primeiro mês de cadeia foi suficiente para o ex-presidente Lula calçar as sandálias da humildade? Suas cartas ou ‘epístolas’ serão a plataforma do programa do PT?  Até aqui sua arrogância continua perdendo para o Juiz Sergio Moro. E pensar que o Lula deu dinheiro para Moçambique  ‘para pagar dívida histórica devido a escravidão’, quando teria sido mais um trambique do esquema da empreiteira Odebrescht e o PT.

 “Odeio os políticos do Brasil. São uns safados”. ( atriz Laura Cardoso – 90 anos)