PUBLICIDADE

"El explosivo", treinador de Honduras foi responsável por azarão da Copa de 2014

Folha de São Paulo em 16 de Agosto de 2016

Gonzalo Fuentes/Reuters

Jorge Luis Pinto, técnico de Honduras, durante jogo contra a Argélia

Ele é fã do Corinthians, estudou na USP (Universidade de São Paulo) e conhece bem o futebol brasileiro. O colombiano Jorge Luis Pinto é um dos principais responsáveis pelo sucesso de Honduras nos Jogos Olímpicos. Do banco de reservas do Maracanã, o treinador vai comandar o time que vai tentar tirar nesta quarta (17) a seleção brasileira da disputa da inédita medalha de ouro.

Apelidado de "o explosivo", Pinto é capaz de treinar os jogadores por até três horas, o que fez comprar brigar com os veteranos locais. Alguns ameaçam não disputar as eliminatórias para a Copa da Rússia por causa dos métodos de trabalho do treinador.

Nos Jogos do Rio, ele discutiu com os organizadores do evento que o impediram de realizar um treino tão longo no Ninhos do Urubu. No mesmo dia, o centro de treinamento do Flamengo também estava reservado para outras seleção.

"Fui contratado para impor o meu estilho. Por isso, não mudo. Sei aonde vou e sou exigente", afirmou o treinador, que chamou a atenção do mundo ao comandar a desconhecida seleção da Costa Rica na Copa de 2014.

Os costa-riquenhos chegaram até as quartas de final e caíram para a Holanda. Além do futebol competitivo da equipe que comandou, Pinto chamou a atenção pelo estilo espalhafatoso. Nas oitavas, ele invadiu o gramado para reclamar da arbitragem, gritou, gesticulou e deu um show no banco de reservas na vitória contra a Grécia. 

Nos Jogos do Rio, o colombiano também é responsável pelo azarão do torneio. Na fase de grupo, os hondurenhos eliminaram a Argentina e a Argélia. No sábado, o time venceu a Coreia, por 1 a 0, no Mineirão.

"Vai ser um jogo muito difícil. Temos um adversário que sabe sofrer durante as partidas e que tem um treinador com muita experiência", afirmou o técnico da seleção, Rogério Micale.

Pinto morou no Brasil nos anos 70, estudou por um ano na USP e tem "muito carinho" pelo Corinthians. Amigo de José Teixeira, então auxiliar de Oswaldo Brandão, ele acompanhou a campanha vitoriosa da conquista do
Campeonato Paulista de 1977, que acabou com o jejum de 23 anos sem título do time do Parque São Jorge. 

Apesar de a seleção ter um excelente retrospecto contra Honduras (cinco vitórias, um empate e apenas uma derrota), os adversários de quarta foram responsáveis por um dos maiores vexames dos brasileiros. Na Copa América de 2001, na Colômbia, o time comandado por Luiz Felipe Scolari foi eliminado do torneio após perder para os hondurenhos, por 2 a 0, em Manizales.

PUBLICIDADE