PUBLICIDADE

STF manda prender em Corumbá casal de equatorianos suspeito pela morte de menina de oito anos

Rosana Nunes e Leonardo Cabral em 13 de Novembro de 2021

Divulgação/Polícia Federal

Equatorianos estavam na lista vermelha da Interpol e foram presos suspeitos pela morte de menina de oito anos

Reviravolta no caso investigado pelas Polícias Civil e Federal de equatoriano preso no dia 11 de novembro, em Corumbá, denunciado pela companheira dele.

Na tarde deste sábado (13), Leticia Amanda Pombar Baralarezo, de 36 anos, a mulher que acusou Gabriel Eduardo Gonzalez Moya, de 39 anos de sequestrá-la, também foi presa, na Casa do Imigrante, onde estava desde que o homem foi preso. Os dois são suspeitos pela morte de uma menina de oito anos, filha de Letícia e eram procurados pela Interpol.

A Polícia de Corumbá chegou ao casal depois que a mulher, entregou a uma atendente de agência bancária, no dia 10 de novembro, um bilhete com o seu nome e os dizeres: “estoy em peligro” (estou em perigo).

Nota da Polícia Civil informa que enquanto Gabriel utilizava os serviços do banco, sem que ele percebesse, Leticia contou rapidamente à bancária que o homem teria matado a filha dela no Equador e a teria sequestrado e trazido para o Brasil junto com o filho dele, de nove anos de idade. Ela chegou a mostrar algumas fotos que pareciam ser notícias sobre o crime.

A funcionária do banco repassou as informações a um delegado da Polícia Civil, que, em diligências, confirmou que Gabriel Moya é suspeito pela morte da enteada.

Foto enviada ao Diário Corumbaense

Bilhete escrito por Leticia Amanda e entregue à funcionária de banco no dia 10

A partir daí, as Polícias Civil e Federal e autoridades equatorianas passaram a trabalhar em conjunto, e na quinta-feira, 11, Gabriel foi preso em flagrante por violência doméstica. Durante a investigação, os policiais confirmaram que, além dele, o nome de Leticia Amanda consta na difusão vermelha da Interpol (lista com ordens para prisões internacionais), após ter sido constatado que ela também é suspeita de envolvimento na morte da própria filha. 

Na tarde deste sábado, policiais federais cumpriram a ordem de prisão da equatoriana, expedida pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, após pedido feito pelo Escritório da Interpol no Brasil. Mandado de prisão contra Gabriel, que já estava detido, também foi cumpridoO caso contou com a participação de delegados e agentes das Polícias Civil e Federal.

O menino, filho de Gabriel, está agora sob os cuidados do Conselho Tutelar de Corumbá, que está buscando contato com a família da criança. 

Morte de menina abalou equatorianos

O casal preso estava foragido da Justiça do Equador há cerca de um mês. No final de setembro, a menina, filha de Leticia, deu entrada com fratura no crânio em um Pronto-Socorro da cidade de Santa Helena. Ela ficou 20 dias internada, em coma, e não resistiu à gravidade dos ferimentos.

Veículos de imprensa do Equador informam que a menina foi golpeada na cabeça pelo padrasto ao tentar defender a mãe durante uma briga do casal. Desde então, familiares fazem campanha pelas redes sociais denunciando o caso e pedindo Justiça.

Gabriel e Leticia estão nos presídios masculino e feminino de Corumbá e vão aguardar os trâmites do processo de extradição.

PUBLICIDADE