PUBLICIDADE

Identificados corpos carbonizados em queda de helicóptero com cocaína

Campo Grande News em 21 de Outubro de 2021

Reprodução/Ponta Porã News

O piloto Pedro Augusto (à esquerda) e Matheus Henrique

A queda do helicóptero carregado de cocaína, ontem (20), em uma fazenda no município de Ponta Porã, matou dois paulistas, de 20 e 24 anos de idade. Os corpos do piloto Pedro Augusto Boim, 24, e de Matheus Henrique dos Santos Venâncio, 20, foram reconhecidos pelas mães, que vieram do interior de São Paulo até a cidade da fronteira com o Paraguai.

Karina, a mãe de Pedro Augusto, e Ana Paula, a mãe de Matheus, reconheceram os restos mortais dos filhos principalmente pelas tatuagens, pois os corpos ficaram parcialmente carbonizados.

O piloto tinha residência em Rancharia, cidade de 30 mil habitantes perto de Presidente Prudente. Matheus morava em Quatá, de 15 mil moradores, distante 23 km de Rancharia.

Após o reconhecimento, as duas paulistas foram à delegacia da Polícia Civil, onde prestam depoimento. Nas redes sociais, familiares e amigos lamentaram a morte dos rapazes. “Dois meninos de ouro! Que Deus receba vocês de braços abertos”, postou um dos seguidores do jovem piloto.

A reportagem apurou que o helicóptero levantou voo da região de Antônio João na madrugada de ontem e recebeu a informação de que a aeronave poderia ter sido alvejada a tiros de fuzil quando voava baixo para fugir do radar da Aeronáutica.

Entretanto, a delegada Ana Cláudia Medina, diretora do Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), descartou que a aeronave tenha sido abatida. O Dracco assumiu a investigação. Os tabletes espalhados em volta do helicóptero pesaram 246 quilos de cocaína pura.

PUBLICIDADE