PUBLICIDADE

Mãe pede justiça para execução de adolescente que teve corpo esquartejado

Fonte: Campo Grande News em 06 de Dezembro de 2019

Reprodução/Facebook

Roselaine Areco e o filho Alex; adolescente foi morto e esquartejado na fronteira

Execução do estudante brasileiro Alex Ziole Areco Aquino, 14, chocou a fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, acostumada com a violência produzida pela guerra entre traficantes que disputam à bala o controle do crime organizado na linha internacional.

Em grupos do aplicativo WhatsApp, moradores de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero se solidarizaram com a mãe de Alex, a pontaporanense Roselaine Areco.

“A dor dessa mãe tem que ser a dor de todos os moradores da fronteira”, afirmou um morador após a entrevista chocante de Roselaine à rádio paraguaia Futura FM, no início da noite de ontem.

“Destroçada”, como ela mesmo se definiu, Roselaine faz um apelo aos assassinos do filho: “devolvam a cabeça do meu filho”. Partes do corpo do adolescente estavam tambor encontrado ontem de manhã em Ponta Porã, mas a cabeça não foi encontrada. “Preciso encontrar, como vou enterrar meu filho sem sua cabeça? Só foi encontrado seu corpinho, mas falta a cabeça. Quero que me contem onde está a cabeça do meu filho”, afirma Roselaine.

Ela cobra a polícia e o Ministério Público do Paraguai. “Essa gente tem que pagar. Minha família, minha mãe, meus irmãos, sentimos uma dor imensa, estamos destroçados, não merecemos isso”. Roselaine afirma que vive há 48 anos na fronteira, mas nunca viu tanta maldade. “Meu filho era um garoto de 14 anos que tinha sonhos”.

Em outras entrevistas à mídia do Paraguai, Roselaine disse que espera intervenção da Justiça brasileira, por não confiar no sistema judicial paraguaio.

A reportagem apurou nesta sexta-feira que o legista e peritos da Polícia Civil constataram que o crânio do menino estava, sim, entre as outras partes do corpo. Ocorre que a cabeça foi separada ao meio e queimada junto com o corpo antes de ser enterrada. Os restos mortais encontrados foram desenterrados e colocados no tambor, segundo a polícia.

Três adultos e um adolescente estão detidos em Pedro Juan Caballero acusados de sequestrar, matar, esquartejar e enterrar o corpo de Alex. Diana Clavel Pimentel Acosta, 24, a irmã dela Denise Pimentel Acosta e o irmão de 15 anos foram localizados ontem. O brasileiro Genaro Lopes Martins, marido de Diana, se apresentou hoje cedo.

Filho de mãe brasileira e de pai paraguaio, Alex tinha desaparecido no dia 23 de novembro, um dia depois de brigar com o outro adolescente no banheiro de uma escola em Pedro Juan Caballero. Ele foi visto pela última vez sendo levado por desconhecidos em uma caminhonete.

Após o desaparecimento, Diana chegou a compartilhar em sua página no Facebook a notícia sobre o desaparecimento com a frase “que Deus e a Virgem o ajudem a voltar para casa”.

PUBLICIDADE