PUBLICIDADE

Simted e Prefeitura de Corumbá entram em acordo sobre reajuste salarial

Leonardo Cabral em 25 de Julho de 2019

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Greve teve início no dia 16 de julho, mas com baixa adesão, aulas seguiram normais

O Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) encerrou a greve dos servidores da Reme (Rede Municipal de Ensino), após reunião com o prefeito Marcelo Iunes, na quarta-feira (24). A decisão foi acordada em assembleia depois de apresentada a proposta do Executivo.

Ao Diário Corumbaense, Raquel Guimarães, presidente do Simted, disse que a proposta discutida durante o encontro não tratou apenas do reajuste salarial e foi bem aceita pela categoria.

“Conseguimos acertar com o prefeito, o reajuste de 4,94 % referente à este ano, que já havia sido dito à categoria. Em relação aos 7,61%, referentes a 2017 e 2018, também serão pagos, só que a cada quadrimestre em quatro parcelas, a partir de setembro de 2019 e nos meses de janeiro, maio e setembro de 2020. O reajuste salarial desse ano, que na verdade é de 4,17% ficou acordado que será de 4,94%, maior que a lei do piso, como garantiu o prefeito para o mês de agosto, onde os retroativos também serão quitados em setembro, para o mês de maio, outubro, para o mês de junho e novembro, para o mês de julho”, esclareceu Raquel.

A dirigente sindical ainda completou dizendo que durante o encontro ficou acordada a seleção de professores convocados. “Com isso o professor efetivo também vai ser convocado para poder descontar para a aposentadoria dele. Além disso, o plano de saúde, Cassems, também foi discutido para os já aposentados, bem como as demandas dos servidores do administrativo também”, destacou.

A greve dos servidores em educação, que teve início no dia 16 de julho, um dia antes do começo das aulas para os alunos matriculados na Rede Municipal de Ensino de Corumbá, estava prevista para se encerrar no dia 31 de julho. Dados do próprio Simted apontaram adesão de apenas 15%, enquanto a Secretaria de Educação, contabilizou paralisação de apenas 2,5%.

Nesse período, as escolas mantiveram as aulas normalmente. São cerca de 1.500 professores trabalhando em 31 unidades de ensino, incluindo creches. 

PUBLICIDADE