Marginais têm mais direitos que o povo?

Da Redação em 16 de Maio de 2018

Lá se foi o tríplex do Lula

Leiloado pela bagatela de R$ 2,2 milhões, o tríplex atribuído pela Justiça ao ex-presidente Lula, oriundo de pagamento de propina, foi leiloado na terça-feira. De frente para o mar, em uma das praias mais luxuosas do litoral paulista, o apartamento de três andares fica no Guarujá, praia que já serviu de cenário para novelas e filmes e que é o sonho de muito brasileiro que gosta de passar uns dias à beira mar.

Ainda assim

Lula e o PT inteiro afirmam que o ex-presidente nada tem a ver com o tríplex, que a ação judicial e a condenação dele, não passam de golpe e que a Justiça não provou sua titularidade. Mesmo assim, o Judiciário vem juntando gravações, depoimentos, fotos e vídeos para provar que muitos figurões da política estão levando para o bolso o dinheiro do povo brasileiro, seja em espécie, como no caso dos R$ 51 milhões do Gedel Vieira Lima, seja em apartamento, como no caso de Lula que ainda responde processo pelo suposto recebimento do sítio em Atibaia, também no interior paulista, a título de propina.

Polícia cobrando

E nesse prende e solta da Justiça, mais notadamente pelo Supremo quando se trata de grandes tubarões e, pelo ministro Gilmar Mendes, muitos estão ganhando a liberdade. Do fim de semana para cá parece que a polícia resolveu cobrar. Delegados da Polícia Civil e da Polícia Federal deram entrevistas afirmando que não aguentam mais prender bandidos e depois vê-los soltos novamente como se nada tivessem feito. É o caso do bandido que matou o delegado da Polícia Federal e daquele que foi morto pela policial militar, que haviam conseguido o indulto para passar o Dia das Mães em casa. 

E nessa esteira

Vêm juntos os pedidos de revisão das leis brasileiras para que elas possam manter os bandidos presos. Só que, os políticos do Congresso Nacional não estão nem aí para isso. Eles sabem muito bem que o Brasil não tem cadeia para tanto bandido e, que se fizerem as obras levarão boa parte do dinheiro que os sustentam, ou seja, vale mais manter o colarinho branco bem engomadinho do que a população de peito aberto livre para ir e vir como manda a Constituição Federal.

Só agora

Depois que muitos policiais foram mortos e que o derramamento de sangue chegou aos delegados é que começaram as cobranças mais veementes. Espera-se que essa matança não chegue aos congressistas para que eles possam dar início à resolução do problema. O povo, a esse já está até meio adaptado a ser roubado, assaltado, agredido e morto. Bandidos agem à luz do dia, bem armados e sem medo de polícia, de soldado, de cadeia, do que quer que seja, em um nítido desrespeito às forças de segurança brasileiras.

Corumbá segue o rumo

A pequena e não tão pacata Corumbá, segue o mesmo ritmo do restante do Brasil. Muitos dos marginaizinhos presos pela polícia, mantém uma extensa ficha criminal. Tem bandidinho aí que já foi peso mais de 20 vezes, e isso não é conversa fiada, é só levantar a ficha, mas volta sempre para as ruas. Entre eles, estupradores e assassinos violentos que perambulam pelas ruas da Cidade Branca, cometendo crimes, sendo presos e voltando para as ruas.

A constituição

Garante que o brasileiro que trabalha e que tem endereço fixo possa responder aos processos em liberdade. Para ironizar, parece que as leis levam em conta que os bandidos, ao praticar crimes estariam trabalhando e que, o endereço fixo deles são as ruas da cidade, onde molestam a todos sem nenhum tipo de dó ou respeito.

Este ano

Tem eleições para deputados estaduais, federais e senadores. É bom lembrar e deixar bem claro que são eles que fazem essas leis e são eles que autorizam as despesas para encarcerar e manter programas de recuperação social de delinquentes. Então, eleitor, uma das primeiras análises que se deve fazer é sobre quem irá realmente e com seriedade, trabalhar para mudar as leis e garantir a segurança do povo. A do povo e não a dos marginais que parece terem mais direitos do que aqueles que trabalham, pagam seus impostos e fazem o Brasil girar.

E só para concluir

Bandido que mata policial é condecorado dentro de suas gangues. Alguns até recebem tatuagens que são motivo de orgulho. Da mesma forma, policial que mata bandido tem que ser condecorado e não criticado e massacrado pelos Direitos Humanos ou por aqueles que insistem em dizer aquela frase fatídica e sem nexo: “e se fosse seu filho”? A mesma pergunta pode ser feita de outra forma: “e se fosse seu filho, a vítima, morta pelo bandido”?

* Detalhe é uma coluna de opinião do Diário Corumbaense que aborda os mais variados assuntos.