Mudanças causam "frisson" na Prefeitura

Da Redação em 15 de Maio de 2018

Mudanças nos poderes

As movimentações na Prefeitura de Corumbá recomeçaram esta semana e geraram reflexos na Câmara. O vereador Luciano Costa (PT), assume a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, abrindo vaga ao seu suplente, Carlos Machado, também do Partido dos Trabalhadores.

Deputado Estadual

Luciano era um dos cotados para disputar uma vaga de deputado estadual. Ele desistiu, chegou até a afirmar que não disputaria a reeleição para vereador e que sairia da política. Para assumir a pasta na Prefeitura, ele oficializou na sessão de ontem, segunda-feira, o pedido de licença do cargo.

Deputado Federal

Machado, que volta à Câmara para o seu quarto mandato, já anunciou a sua pré-candidatura a deputado federal. A ida dele para o Legislativo deixa claro que Machado poderia ter a possibilidade de ser o candidato à Câmara Federal, dentro do Pacto Político por Corumbá.

Suspense

O suspense em torno de novas mudanças na administração, causa frisson entre aqueles que acompanham as casas do tabuleiro. É que, em política, facilmente o peão pode passar a ser bispo e o bispo a ser cavalo.

Definitivamente

A vinda do pré-candidato do PT ao governo, Humberto Amaducci, e principalmente do deputado Zeca do PT, no fim de semana, colocou o partido no cenário político e até dentro do pacto. Mostra o poder de articulação política de quem tem dois mandatos de deputado estadual, dois de governador e um de federal no currículo. A presença de Zeca do PT em Corumbá, já anunciando sua pré-candidatura ao Senado, mostrou que o petista ainda tem muita força. E ele não mediu palavras para dizer que quer retomar a vaga que "Delcídio jogou fora". 

É ver agora

O tamanho da força dos outros partidos e pré-candidatos. Logo, logo, eles estarão desembarcando em solo corumbaense em busca de apoio. A expectativa é de que até o final do mês, a maioria dos pré-candidatos ao governo venha à cidade.

E a força do povo

É essa que deve contar de verdade. O eleitor precisa se impor para colocar cada um no seu lugar. Lembrando mais uma vez, quem manda é o povo, que paga as autoridades e não as autoridades que cuidam muito mal do dinheiro do patrão, o povo brasileiro.

* Detalhe é uma coluna de opinião do Diário Corumbaense que aborda os mais variados assuntos.