PUBLICIDADE

Covid: Bolívia ameaça com 10 anos de prisão quem não portar cartão de vacinação em eventos sociais

Leonardo Cabral em 27 de Dezembro de 2021

Leonardo Cabral/ Arquivo Diário Corumbaense

Decreto começa a valer a partir do dia 01 de janeiro de 2022 na Bolívia

No dia 1º de janeiro entra em vigor o Decreto Supremo 4640, que estabelece a obrigatoriedade da apresentação do cartão de vacinação para participação em eventos sociais ou para o ingresso em determinados estabelecimentos na Bolívia. O vice-ministro da Defesa do Consumidor, Jorge Silva, alertou que quem não tem esse documento e teste negativo para o coronavírus, corre o risco de ser punido com 10 anos de prisão pelo “crime de agressão à saúde pública”.

Ainda segundo ele, a medida "não é brincadeira" e todos devem se atentar. “Se eu não portar, não mostro esses documentos e se for testado positivo para a Covid-19, estou atacando a saúde de outras pessoas. Portanto, haverá sim, um processo ", disse ao canal estadual. 

A obrigatoriedade das disposições começa no primeiro dia de 2022 e aplica-se não só as festas, mas também a outros tipos de estabelecimentos, tanto do setor público como do privado.

O Decreto Supremo estabelece como requisito para o acesso aos estabelecimentos, transportes interdepartamentais e demais locais que incluam aglomerações, a apresentação da carteira de vacinação do covid-19, para maiores de 15 anos. Também é tolerante a um teste de PCR negativo.

A medida regerá “instituições públicas e privadas, entidades financeiras e religiosas, centros comerciais, mercados e supermercados, unidades educativas, universidades, institutos técnicos e instituições de ensino em geral, locais de entretenimento e outros onde haja aglomeração”.

Ficou estabelecido também que as empresas interdepartamentais de transporte aéreo, terrestre, fluvial e ferroviário que transportam passageiros para o interior do país, devem solicitar a obrigatoriedade da carteira de vacinação ou do teste PCR para pessoas em idade vacinável, antes do embarque.

Com informações do jornal El Deber.

PUBLICIDADE