PUBLICIDADE

Estado e Ongs lançam manual para proteger animais silvestres de atropelamentos nas rodovias

Portal de Notícias do Governo de MS em 17 de Dezembro de 2021

Chico Ribeiro/Governo do Estado

Manual será utilizado na execução de novos projetos viários em Mato Grosso do Sul, destacou governador

Mato Grosso do Sul passa a contar, a partir desta sexta-feira (17), com um manual de orientações técnicas para proteger animais silvestres de atropelamentos em rodovias. Elaborado pelo Governo do Estado em parceria com diversas Ongs (Organizações não governamentais), o documento foi lançado pelo governador Reinaldo Azambuja e pelo secretário Eduardo Riedel (Infraestrutura) em cerimônia no Parque do Prosa, em Campo Grande. (Veja o manual aqui).

Na prática, o manual será utilizado na execução de novos projetos viários em Mato Grosso do Sul. Ou seja, estradas e rodovias a serem pavimentadas no Estado terão que ter em seus projetos executivos ferramentas que permitam a redução de atropelamentos de animais. 

“É um manual para orientar engenheiros e projetistas na hora da execução dos projetos das estradas. É um mapa que vai nortear todas as obras viárias que estamos fazendo", explicou Reinaldo Azambuja. "Essas obras terão que ter pontos identificados para evitar morte de animais e também de pessoas, evitando graves acidentes”, completou o governador.

Além de valer para novos projetos viários, as orientações do manual poderão ser colocadas em prática em estradas estaduais já pavimentadas que possuem problemas com atropelamentos de animais de espécies ameaçadas de extinção.

Chico Ribeiro/Governo do Estado

Secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel

Para o secretário Eduardo Riedel, além de preservar a biodiversidade, a iniciativa salva a vida de viajantes. “Nossa expertise é construir estradas, com toda engenharia que uma rodovia requer. Agora, inserir nesses projetos sistemas mitigadoras de acidentes é extremamente inovador. No mundo, estradas de países mais desenvolvidos que já têm esses sistemas dão efeitos reais na preservação”, destacou.

Bióloga e especialista de ecologia em estradas e rodovias no Icas (Instituto de Conservação de Animais Silvestres), Érica Naomi Saito reforçou que o manual tem como objetivo promover estradas mais seguras para todos, "prevenindo acidentes e conservando a biodiversidade".

"Em relação ao Estado, o Icas fez pesquisa durante três anos em quatro rodovias asfaltadas. Nesse período, mais de 12 mil animais foram mortos. Cerca de 40% deles são animais de médio e grande porte, como capivaras, antas e tamanduás, que podem causar acidentes graves", explicou ela.

Cadastro de monitoramento da fauna

Também nesta sexta-feira (17), o governador Reinaldo Azambuja e o secretário Eduardo Riedel lançaram o "Cadastro Estadual de Dados de Monitoramento de Fauna", que já funciona no site www.estradaviva.ms.gov.br.

A ferramenta permite a unificação dos dados de monitoramento de fauna do poder público com as instituições ambientais. O cadastro permite que qualquer profissional que preencha os requisitos de "colaborador" possa contribuir com o envio de informações de acidentes com animais silvestres, criando uma verdadeira "rede colaborativa" dos dados de atropelamento nas rodovias estaduais.

O objetivo é obter um panorama mais preciso dos acidentes a fim de subsidiar as decisões referentes tanto à implantação quanto à efetividade de medidas mitigadoras.

Reinaldo Azambuja e Eduardo Riedel ainda entregaram três caminhonetes S10 2.8 automáticas, ao custo unitário de R$ 233.285,00, para uso de veterinários e engenheiros do projeto "Estrada Viva – A Fauna pede Passagem".

Atualmente esses técnicos monitoram os atropelamentos de animais silvestres em seis rodovias estaduais (MS-040, MS-178, MS-382, MS-339, MS-345 e MS-450), propondo medidas preventivas de acordo com o perfil das vias e hábitos dos animais.

Os veículos também serão utilizados como suporte aos órgãos ambientais que atuam na retirada de carcaça de animais das estradas, a fim de evitar novos acidentes, assim como na prestação de primeiros socorros e encaminhamento a Centros de Reabilitação.

PUBLICIDADE