PUBLICIDADE

Gastos no Natal e Ano Novo devem movimentar R$ 28,37 milhões na economia local

Leonardo Cabral em 05 de Dezembro de 2020

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Movimentação, apesar de inferior ao ano passado, anima setor comercial da região

Mesmo com gastos a menos, o comércio de Corumbá e Ladário deve aquecer as vendas para o Natal e Ano Novo. Conforme levantamento de intenção de compras, realizado pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio-MS (IPF-MS) em parceria com o Sebrae, neste final de ano, a movimentação na economia das duas cidades pantaneiras deve chegar a R$ 28,37 milhões, 42% a menos que em 2019.

A pesquisa revela que corumbaenses e ladarenses devem ter gastos de até R$ 20,79 milhões com o Natal, época em que as trocas de presentes ganham vez. Já no ano novo, na comemoração pela chegada de 2021, os gastos estão estimados em R$ 7,58 milhões. Com isso, o gasto médio fica em R$ 796,17.

No Natal, 45% da população terão gastos médios chegando a R$ 313,52. Em relação às comemorações, 78% irão gastar em média R$ 218,75. No ano novo, 43% da população terão gasto médio de R$ 263,90.

As roupas, calçados e acessórios continuam sendo presentes prediletos para o Natal, com 38%, bem como os brinquedos para as crianças, com 50% da preferência da população. Porém, durante as compras, o Papai Noel estará um pouco mais rigoroso com preços e em busca do maior custo-benefício. A maioria irá pagar à vista as compras e pretende comprar em lojas físicas (65%).

Por causa da pandemia do coronavírus, 40% vão comemorar com aqueles que moram na mesma residência; 35% com amigos e familiares e 19%, como em anos anteriores. A maioria deve preparar as refeições em casa. 

13° salário

O 13° salário poderá contribuir na hora das compras. 43% da população ainda têm recurso do 13º para receber. 24% utilizarão com as comemorações de final de ano; 61% com gastos do dia a dia, como alimentação, higiene entre outros. Já 34% pagarão dívidas atrasadas, 6% irão pagar contas a vencer e 3% não sabem o que fazer. 

Outro fator que anima os comerciantes são os bolivianos, que lotam todos os dias a área comercial da cidade em busca de produtos diversos. Alem disso, supermercados e atacadistas também garantem boas vendas devido a esse público, que se aproveita da alta do dólar, que os favorece na moeda de câmbio, já que o real está baixo. 

A pesquisa aplicou 1.723 questionários semiestruturados (com perguntas abertas e fechadas). Nas cidades de Bonito/Corumbá/Ladário foram 276 aplicados. A depender dos municípios, as margens de erro variam entre 5% e 6%.

PUBLICIDADE