PUBLICIDADE

Bolívia decreta desastre nacional por conta dos incêndios florestais

Leonardo Cabral em 09 de Outubro de 2020

El Deber/ Ipa Ibañez

País agora deve aguardar ajuda internacional para conter as chamas

O governo transitório publicou decreto de desastre nacional devido aos incêndios florestal e estiagem que afetam cinco departamentos da Bolívia. Com essa medida, espera-se a chegada de ajuda internacional. “Vamos enfrentar o desafio e a crise dos incêndios e da seca. Estamos declarando um desastre nacional por causa da seca e dos incêndios”, anunciou a presidente Jeanine Áñez.

O ministro da Defesa, Fernando López, afirmou que os três níveis de governo esgotaram suas forças e tudo foi feito para apagar o fogo. Ele indicou que os recursos disponíveis foram utilizados para lidar com o incêndio, mas que não é mais possível continuar lutando contra esta situação.

“Isso significa que se solicitará ajuda internacional e se abrirão as portas para que mãos amigas voltem sua atenção para a Bolívia e assim canalizem a máxima colaboração possível”, falou o ministro anunciando que o comando nacional de incidentes será instalado em Santa Cruz de la Sierra para que também venham representantes do Poder Executivo para dar suporte ao problema.

“O fogo está avançando e por causa dos ventos e das altas temperaturas, não tem outro jeito de enfrentar essa crise. Vamos fazer um planejamento focado e em cada setor vai ter um comando de incidentes para ficar conectado”, relatou López.

Outro benefício da declaração de desastre é que os governos locais e departamentais podem coordenar ações com o governo central. Já os ministérios da Economia, do Planejamento e das Relações Exteriores buscarão recursos para a Bolívia (até agora chegaram apenas seis bombeiros espanhóis especializados em incêndios).

Já foram queimados mais de 1,4 milhão de hectares (dados do Ministério do Meio Ambiente) no país. A situação já afetou mais de 600 famílias  e outras que também foram atingidas pela falta de água. No último dia, os focos de calor na Bolívia aumentaram de 3.237 para 5.430, segundo o relatório do governo.

Do total de focos, 1.542 estão dentro de reservas florestais e a região mais afetada é o departamento de Santa Cruz, que concentra 75% dos focos de calor no país.

Além de Santa Cruz, Chuquisaca, os departamentos de Beni, Cochabamba e Tarija, enfrentam os incêndios florestais. Também foram registrados focos em La Paz. Com informações do jornal El Deber. 

Corumbá

A situação da Bolívia é a mesma enfrentada no Pantanal de Corumbá, em Mato Grosso do Sul. Na cidade pantaneira, o fogo está concentrado na Serra do Amolar, Porto Esperança e também em vegetação às margens da BR-262 e da Estrada Parque. De acordo com o relatório do Ibama Prevfogo, em Mato Grosso do Sul, o fogo já consumiu 1.817.000 hectares.

O levantamento se refere ao período que corresponde de 1º janeiro até 03 de outubro. Bombeiros do Estado, do Paraná, Santa Catarina, brigadistas do Prevfogo, militares da Marinha do Brasil, homens da Força Nacional, bem como voluntários de Ongs e também ribeirinhos estão na linha de frente do combate às chamas na região pantaneira. 

PUBLICIDADE