PUBLICIDADE

Fumaça volta a incomodar e queimada do outro lado do rio consome vegetação

Leonardo Cabral em 06 de Julho de 2020

Diário Corumbaense

Foco está do outro lado do rio Paraguai, em frente ao Porto Geral

A fumaça voltou a incomodar os corumbaenses. Desde domingo (05), uma densa camada de fumaça está sobre a cidade, devido aos focos de queimadas, na margem esquerda do rio Paraguai, em frente ao Porto Geral. O fogo, apesar de parecer estar perto da área urbana, está um pouco distante da margem, conforme o Corpo de Bombeiros Militar.

Uma equipe, com três militares, foi para o local na manhã desta segunda-feira, 06 de julho, para avaliar a melhor maneira de combater as chamas, segundo informou a corporação ao Diário Corumbaense.

As queimadas tiveram início um pouco mais cedo esse ano, em março e abril. Situação atípica, já que os focos são mais comuns a partir de junho, final do outono e início do inverno. Força-tarefa chegou a atuar no combate aos incêndios florestais, muitas vezes, localizados em áreas de difícil acesso, o que dificulta ainda mais a extinção do fogo.

Já no Pantanal, um incêndio há seis dias, já consumiu 10 hectares na região do Jatobazinho. Lá, seis brigadistas enviados pelo Instituto Homem Pantaneiro (IHP), e mais cinco bombeiros, estão atuando no combate ao fogo. O vento na região é um dos grandes fatores que contribuem para a propagação do fogo rapidamente.

Queimadas

Corumbá segue na liderança do ranking entre os municípios com mais focos de queimadas no Brasil. São 1.877 focos nesses seis primeiros meses do ano. Nos seis dias de julho, a cidade registrou 104 focos, destes, 32 nas últimas 48h. Os dados são Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais- INPE.

Comentários:

Carmem Souza: Ataque ao meio ambiente, a um dos maiores biomas do planeta torna-se especialmente criminoso em época de Covid-19. Acentua problemas respiratórios na população e põe em risco a vida de milhares que se torna mais frágeis e susceptíveis à doença na pandemia. Cadê as autoridades?

PUBLICIDADE