PUBLICIDADE

Coronavírus: sala de situação define ações preventivas na região de fronteira

Da Redação com assessoria da PMC e Agência Brasil em 27 de Fevereiro de 2020

Divulgação

Equipe da Sala de Situação da Secretaria Municipal de Saúde durante reunião nesta quinta-feira

Servidores da Secretaria de Saúde de Corumbá se reuniram nesta quinta-feira (27) para monitorar e acompanhar a situação do novo coronavírus, além de discutir medidas preventivas, o fluxo de atendimento, e definir estratégias e ações adequadas para o seu enfrentamento, caso algum caso seja registrado na região.

No início da doença, não existe diferença quanto aos sinais e sintomas de uma infecção pelo coronavírus em comparação com os demais vírus, por isso é fundamental observar se há histórico de viagem para a China, ou outros países com área de transmissão local, nos últimos 14 dias, ou contato próximo com alguma pessoa contaminada.

O secretário de Saúde, Rogério Leite, disse que o município está se precavendo ao definir essas ações. “Não há motivo para pânico, mas estamos tomando todas as medidas necessárias caso surja algum paciente com suspeita da doença em nosso município. Toda a rede de atendimento precisa estar preparada para lidar com a situação”, explicou.

“Já fizemos algumas reuniões com diversos órgãos públicos responsáveis por ações na faixa de fronteira, principalmente pelos pontos de entrada do país, para discutir ações e protocolos de atendimentos, intensificando a Vigilância em Saúde região, como a Polícia Federal, Marinha, Exército, Agesa, Anvisa, Agência Municipal Portuária – AGEMP “, complementou o secretário.

O médico infectologista do Município, Hilton Luiz Alves Filho, foi à Santa Casa de Corumbá e ao Hospital da Cassems, para prestar esclarecimentos sobre a conduta de isolamento, definindo fluxos desses atendimentos, caso ocorra um caso suspeito  ou confirmado na cidade.

“A vigilância de casos suspeitos de síndromes respiratórias virais é constante e sistemática, associamos a estrutura já disponível e equipada para a vigilância da doença causada pelo novo coronavírus, contando com o apoio e capacitando várias instituições de saúde da região de Corumbá, Ladário e fronteira com a Bolívia”, esclareceu o infectologista.

"A administração municipal está atenta ao cenário nacional e internacional, temos cobrado uma atenção especial da Secretaria de Saúde e da Vigilância a respeito do coronavírus”, afirmou o prefeito Marcelo Iunes.

Nos próximos dias, a Secretaria de Saúde irá realizar uma capacitação para os profissionais da área, tanto médicos e enfermeiros, como para recepcionistas e profissionais da limpeza, sobre as condutas de prevenção, como uso de equipamentos de proteção individual.

Para evitar contaminação, são necessárias as medidas básicas de higiene, como lavar as mãos com água e sabão, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo. Evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas. Não compartilhar copo, talheres e canudos.

Caso confirmado no Brasil

Na quarta-feira (26), o Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso de infecção pelo Covid-19 no Brasil. Trata-se de um homem de 61 anos, morador da cidade de São Paulo, que esteve na região da Lombardia, no norte da Itália, entre os dias 09 e 21 de fevereiro. Ao retornar da viagem, na última sexta-feira (21), o paciente apresentou os sinais e sintomas compatíveis com a doença (febre, tosse seca, dor de garganta e coriza) e teve resultado positivo no exame laboratorial. Ele está em isolamento domiciliar.

Com 11 casos suspeitos, São Paulo é o estado com maior número de suspeitas de infecção. Os demais casos foram registrados nos estados da Paraíba (1), de Pernambuco (1), do Espírito Santo (1), de Minas Gerais (2), do Rio de Janeiro (2) e de Santa Catarina (2), Brasília (5) e Mato Grosso do Sul (5),  totalizando 30 casos.

A Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul (SES-MS) informou que registrou sete notificações de casos suspeitos do novo coronavírus (COVID-19), uma em Ponta Porã e seis em Campo Grande. No primeiro exame realizado pelo Lacen no material coletado, em dois pacientes da Capital, foi constatado que estavam com a influenza A, e com isso deixaram de ser considerados casos suspeitos de coronavírus.

Os casos foram considerados suspeitos de acordo com a classificação do Ministério da Saúde. Nesta quinta-feira (27) saiu o resultado do exame feito pelo Lacen de paciente de 24 anos, com possível caso suspeito para o novo coronavírus em Ponta Porã. Os exames deram negativo para oito tipos de vírus respiratórios pesquisados pelo Lacen, entre eles influenza. 

No Brasil, apenas quatro laboratórios estão habilitados para realizar exames para detectar o COVID-19, entre eles o Instituto Adolfo Lutz (IAL), em São Paulo, para onde o material coletado dos cinco pacientes de Mato Grosso do Sul foram encaminhados. O resultado deve sair na próxima semana.

PUBLICIDADE