PUBLICIDADE

Vagões de trem boliviano descarrilam e atingem carros e moto; professora ficou presa nas ferragens

Rosana Nunes e Leonardo Cabral em 04 de Dezembro de 2019

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Carro de professora foi arrastado e ficou completamente destruído; vítima foi levada para o hospital

Vagões de cargas de um trem que fazia manobras entre os bairros Centro América e Previsul, próximo ao hotel Farias, na avenida Gaturama com a Rui Barbosa, descarrilaram e provocaram grave acidente no fim da tarde desta quarta-feira (04) em Corumbá. A composição seguia em direção ao Portal de Entrada e ao retornar para a cidade, houve o acidente.

O carro (Fox cinza) da coordenadora pedagógica da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), Élida Aparecida de Campos, foi arrastado e ficou destruído. A professora, de 44 anos, ficou presa nas ferragens e foi retirada, inconsciente, pela guarnição do Corpo de Bombeiros Militar que teve de usar ferramenta de corte. Ela foi levada para a Santa Casa e depois para o centro cirúrgico. A vítima, que apresentava forte inchaço abdominal, suspeita de hemorragia interna e diversos cortes nos braços, não resistiu e faleceu.  

Dany Oliver mora na esquina onde o veículo parou após ser arrastado e contou o que presenciou. "Foi uma cena horrível, o vagão veio arrastando tudo, bateu em um poste, pegou mais um carro e uma moto. Ainda demos apoio à vítima, isolando a área até a chegada dos bombeiros e da PM. Do jeito que aconteceu achei até que poderia atingir a minha casa e o carro, porque descarrilou e tombou", contou ao Diário Corumbaense

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Outro veículo atingido pelo vagão

Já o morador Sebastião Rodrigues, estava com o carro estacionado em frente de casa, na rua Rui Barbosa. O veículo foi atingido por uma das rodas do vagão. "Não deu nem tempo de respirar, foi perda total do carro. Mas graças a Deus foi só danos materiais. Toda a família estava fora e o susto foi muito grande, podia ter atingido a minha casa, os meus familiares. Tem 25 anos que moro aqui e não havia presenciado uma cena como essa. Essa linha férrea é um problema que Corumbá precisa resolver, tirar das proximidades onde estão as casas", disse Sebastião que já registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil. 

Quatro dos seis vagões ainda seguiram pelo trilho e pararam a cerca de dois quilômetros do acidente, na rua Gonçalves Dias, entre a Luiz Feitosa Rodrigues e Firmo de Matos, no bairro Aeroporto. No total, os vagões que descarrilaram atingiram três carros e uma moto. Os ocupantes dos outros veículos sofreram escoriações leves, segundo os bombeiros. 

A assessoria de imprensa da Rumo, concessionária da malha férrea, informou por meio de nota à imprensa, que os vagões são da Ferroviária Oriental, da Bolívia, que estavam em terminal de empresa privada para carregamento de cargas. "Seis vagões da ferrovia boliviana se soltaram do terminal de transbordo de terceiros atingindo automóveis em uma passagem de nível. Os vagões estavam estacionados e não estavam atrelados a nenhum trem da concessionária. A empresa está  prestando apoio no atendimento e apurando as causas através de procedimento de investigação", diz a nota. (matéria editada após confirmação da morte da professora Elida de Campos)

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Região onde vagões descarrilaram tem muitas moradias em volta

PUBLICIDADE