PUBLICIDADE

Combate aos incêndios florestais em MS passa a contar com aeronave e 34 bombeiros do Distrito Federal

Silvio Andrade, da Assecom do Governo de MS em 18 de Setembro de 2019

Divulgação

Avião do 2º Esquadrão de Aviação Operacional do Corpo de Bombeiros do DF que atuará no combate aos incêndios em MS

O Governo do Estado garantiu reforço operacional para combater os incêndios florestais, que se alastram pelo Pantanal e Cerrado – foram 373 focos de calor na terça-feira –, com o apoio do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, que enviará uma aeronave e 34 militares para atuarem nas regiões críticas. A vinda da equipe brasiliense nesta quinta-feira (19) foi confirmada pela Sala de Situação Integrada, coordenada pela Defesa Civil do Estado.

Também foram garantidos os recursos financeiros para a operação aérea, que deve começar na sexta-feira (20), com a liberação imediata autorizada pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, vinculada ao Ministério de Desenvolvimento Regional. A aeronave do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal é um Air Tractor, modelo AT-802F fabricado nos Estados Unidos, com autonomia de 04h e capacidade para transportar até 3,1 mil litros de água.

Estratégias de ação

O chefe do Centro de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros do Estado, tenente-coronel Waldemir Moreira, informou que será feito um sobrevoo, na manhã desta quarta-feira (18), nas regiões de maior concentração dos focos, com a presença do comandante geral da corporação, coronel Joílson Alves do Amaral, para definição das estratégias de combate. O posto de comando da operação, que deve durar inicialmente dez dias, será em Aquidauana.

Conforme ficou estabelecido na reunião da Sala de Situação Integrada, as operações aérea e terrestre serão desenvolvidas nos municípios de Corumbá, Aquidauana, Miranda, Bodoquena, Porto Murtinho e Bonito. As áreas críticas são o Pantanal e o entorno do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, onde o fogo avança em direção à reserva. Há focos também próximos ao Parque Estadual do Rio Negro, entre Aquidauana e Corumbá.

Divulgação

Reunião da Sala de Situação Integrada: discussão da estratégia para a operação aérea

“Vamos sobrevoar estas áreas e montar uma estratégia de combate aéreo, que será definida após a chegada da equipe de Brasília”, informou o tenente-coronel Moreira. Parte da operação começou a ser montada na reunião da Sala de Situação Integrada, com a discussão sobre as pistas de pouso para servir de apoio e o transporte de água e querosene para a aeronave. O chefe do posto de comando em Aquidauana será o tenente-coronel Hueslei Paulo Silva.

Previsão de chuvas

Os focos de calor na terça-feira somaram 373 em Mato Grosso do Sul, conforme o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Corumbá liderou com 152 (40%), vindo a seguir Aquidauana, com 63 (17%); Porto Murtinho, 42 (11,3%); e Miranda (17 (4,6%). O Centro de Monitoramento do Tempo e Clima de Mato Grosso do Sul (Cemtec) informou que a expectativa de chuvas para o Estado, no período de 25 de setembro a 03 de outubro, é de 20 milímetros.

Participaram da reunião da Sala de Situação Integrada: tenente-coronel bombeiro Fábio Catarinelli, coordenador estadual de Defesa Civil; tenente-coronel bombeiro Waldemir Moreira, chefe do Centro de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros do Estado; coronel bombeiro e piloto Luis Fernando Rolon; subtenente Ataíde Moreira, da Polícia Militar Ambiental; Franciane Rodrigues, coordenadora do Cemtec; e Leonardo Palma, do Imasul.

PUBLICIDADE