PUBLICIDADE

Antes de assassinato, tio chegou a passar bens para o nome do sobrinho

Campo Grande News em 23 de Julho de 2019

Henrique Kawaminami/CG News

Miguel chegando na 4ª Delegacia de Polícia Civil nesta terça-feira

A relação de amizade entre Miguel Arcanjo Camilo Junior, 32 anos, e o tio Osvaldo Foglia Junior, 47 anos, era tão próxima que a vítima chegou a transferir bens para o nome do sobrinho. Miguel foi preso na noite de ontem (22) no bairro Chácara Cachoeira, em Campo Grande, seis dias após matar o tio a tiros em uma conveniência na rua Marquês de Lavradio, no Jardim São Lourenço.

Apesar da relação da vítima e do suspeito envolver bens, a principal linha de investigação da Polícia Civil é um 'serviço' que Osvaldo teria feito a um amigo de Miguel, responsável por intermediar a negociação.

Segundo o delegado Thiago Macedo, da 4ª Delegacia de Polícia Civil, o amigo de Miguel é empresário do interior de Mato Grosso do Sul e precisava de uma pessoa para fazer a cobrança de uma dívida. O suspeito, então, teria indicado o tio para realizar o serviço. A vítima receberia R$ 150 mil do contratante.

Osvaldo teria "estrapolado" na hora de cobrar a dívida e o empresário dispensou o serviço, mas não pagou o valor combinado, o que desencadeou a briga entre o suspeito e a vítima. ''Osvaldo ficou cobrando esse dinheiro do Miguel, já que ele teria intermediado o serviço'', explicou o delegado.

Conforme Thiago Macedo, o empresário, 'peça chave' do caso, será interrogado ainda nesta semana. Ele também revelou que os nove disparos que atingiram Osvaldo saíram de uma pistola 380. A arma era de Miguel e registrada.

Prisão

O mandado de prisão temporária de Miguel foi cumprida na noite de ontem (22). O suspeito foi preso ao deixar o escritório do advogado, no bairro Chácara Cachoeira. Segundo informações do GOI (Grupo de Operações e Investigações da Polícia Civil), no local estava acontecendo uma festa.

O novo advogado de Miguel, Milton Costa, negou a informação. Segundo a defesa, o cliente foi ao local para combinar os trâmites da apresentação à polícia. ''Ele iria se entregar hoje, mas infelizmente não deu tempo", disse.

Agora, a defesa solicitará à Justiça a revogação da prisão temporária, alegando legítima defesa. ''A vítima tem gravações de Osvaldo dizendo que iria pegá-lo'', ressaltou. Miguel será ouvido pelo delegado ainda nesta terça-feira (23).

PUBLICIDADE