PUBLICIDADE

Defesa alega síndrome do pânico e adia apresentação de homem que matou o tio

Campo Grande News em 18 de Julho de 2019

A defesa de Miguel Arcanjo Camilo Junior, 32 anos, que matou a tiros o tio Osvaldo Foglia Junior, 47 anos, alegou que o cliente sofre de síndrome do pânico e adiou a apresentação à polícia, que aconteceria na manhã desta quinta-feira (18). O crime ocorreu na noite de terça-feira (16) no Jardim São Lourenço, em Campo Grande.

Reprodução/Facebook

Miguel e Osvaldo tinham vida em comum, diz defesa

Segundo o advogado Júlio César Marques, Miguel sofre de síndrome do pânico e está bastante abalado com o caso.''Eles faziam musculação juntos, tinham uma vida em comum. Ele matou sob pressão e ameaça do tio por causa de uma dívida", disse. Ainda segundo a defesa, Miguel será apresentado amanhã (19) com a tese de legítima defesa. O valor, segundo apurou a reportagem, estaria entre R$ 100 mil e R$ 130 mil e seria referente tanto a empréstimos feitos por Foglia ao sobrinho quando de débitos de negócios em comum.

De acordo com o delegado Thiago Macedo, da 4ª Delegacia de Polícia Civil, algumas pessoas já foram ouvidas, mas ele ainda aguarda ouvir uma testemunha 'chave', que reside no interior de Mato Grosso do Sul, na próxima semana. Apesar de ainda não ter sido apresentado à polícia, Miguel já foi indiciado por homicídio qualificado por motivo fútil com recurso que dificultou a defesa da vítima.

O caso

Osvaldo Foglia Junior, 47 anos, foi morto a tiros em uma conveniência na rua Marquês de Lavradio. Segundo informações do boletim de ocorrência, ele foi até o local cobrar uma dívida do sobrinho. A dupla acabou discutindo e Miguel disparou vários tiros contra Osvaldo. Ele morreu na hora. Miguel fugiu em um veículo Chevrolet Camaro, encontrado no dia seguinte no quintal de uma residência no bairro Cristo Redentor.

PUBLICIDADE