No Dia Nacional de Combate ao Fumo, atividades buscam sensibilizar população

Ricardo Albertoni em 29 de Agosto de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Secretaria de Saúde leva palestras para sensibilizar a população sobre os malefícios do tabagismo

A Secretaria Municipal de Saúde realiza durante esta semana atividades com o objetivo de sensibilizar a população sobre os malefícios do tabagismo. As ações são alusivas ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, celebrado neste dia 29 de agosto.

Na terça-feira (28) grupo de praticantes de atividades físicas realizadas na academia de saúde do Arthur Marinho assistiu a uma palestra ministrada pelo psicólogo da secretaria responsável pelo Programa de Prevenção Primária de Câncer/Tabagismo em Corumbá, Gleidson Fontes da Rosa.

Ao Diário Corumbaense, o servidor explicou que o principal objetivo é levar informação não apenas para as pessoas que fazem uso do tabaco, mas também aos indivíduos que permanecem presentes no mesmo ambiente das pessoas que fazem uso da substância.

“O objetivo principal é alertar tanto sobre os malefícios da pessoa que faz o uso do tabaco quanto aquelas que às vezes acham que não tem perigo nenhum estar no mesmo ambiente. O tabaco está praticamente em primeiro lugar entre o causador de mortes que podem ser evitadas e o fumo passivo está em segundo lugar já que a pessoa fica exposta à mesma fumaça com as mesma substâncias que causam mal. Por isso fazemos essa palestra pois, às vezes são pessoas que não são tabagistas mas tem algum familiar que precisa dessas informações importantes”, explicou Gleidson.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Palestra foi ministrada pelo responsável pelo Programa de Prevenção Primária de Câncer/Tabagismo em Corumbá, Gleidson Fontes da Rosa

O fumo passivo é um problema enfrentado pela dona de casa Lídia Catarina Françoso, de 68 anos. Casada há 44 anos com o marido 1 ano mais novo que ela, a aposentada explica que ao longo dos anos precisou tomar medidas para diminuir os transtornos causados pelo vício do companheiro.

“Ele fumou muito tempo dentro de casa e antigamente não tinha o conhecimento de que essa fumaça poderia fazer mal pra gente. Temos quatro filhos e eles têm problemas respiratórios. Depois de um tempo, ele passou a fumar fora de casa, no quintal. Ele sabe dos problemas, que tem tratamento, mas é difícil largar, acha que tem que ser do jeito que ele quer e é isso que faz com que continue com o vício. Me preocupo, gostaria que ele parasse de fumar para que tivesse uma qualidade de vida melhor”, contou.

Como parar

O desejo da dona de casa reflete o que quer a grande maioria das pessoas que convivem com os fumantes. Mas, a decisão não é fácil. De acordo com o psicólogo Gleidson da Rosa, já há alguns anos à frente do Programa de Prevenção Primária de Câncer/Tabagismo em Corumbá, cerca de 30/40% das pessoas que procuram o tratamento conseguem concluir o programa. Grande parte dos interessados procura as unidades de saúde, fazem o pré-cadastro, mas acabam desistindo quando a consulta é agendada. Atualmente, só 14 pessoas são atendidas gratuitamente pelo Município.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

A aposentada Lídia disse que ao longo dos anos precisou tomar medidas para diminuir os transtornos causados pelo vício do companheiro

“O tratamento é ofertado em todas as unidades de saúde. A pessoa recebe todo o acompanhamento da unidade básica de saúde com a parte da enfermagem, médica, acompanhamento psicológico e se necessário uma medicação para auxiliar nos sintomas da abstinência. Ela pode ir diretamente na sua unidade de saúde, fazer o agendamento e vai receber todo o atendimento gratuito. Se fosse buscar por conta própria não seria barato, é uma medicação cara, o Município consegue oferecer o tratamento de forma gratuita para melhorar a qualidade de vida da população”, destacou Gleidson.

Danos à saúde

O tabaco é responsável por cerca de seis milhões de mortes em todo o mundo. No Brasil, estima-se que o tabagismo seja responsável por 200 mil óbitos ao ano. O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica - resultante da dependência à droga nicotina - e um fator de risco para cerca de 50 doenças, dentre elas, câncer, DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica e Doenças Cardiovasculares).  Além de estar associado às doenças crônicas não transmissíveis, o tabagismo também é um fator de risco importante para o desenvolvimento de outras doenças, tais como tuberculose, infecções respiratórias, úlcera gastrintestinal, impotência sexual, infertilidade em mulheres e homens, osteoporose, catarata, entre outras doenças.

Clique no link para saber mais sobre os danos causados à saúde.

PUBLICIDADE