PUBLICIDADE

Marília Mendonça cantou sofrência empoderada com voz forte e letras intensas

G1 em 05 de Novembro de 2021

Divulgação

Em 2016, cantora conseguiu projeção nacional com "Infiel"

Marília Mendonça virou ícone do feminejo em 2016, com hits como “Infiel” e “Eu sei de cor”. Antes, ela já era compositora de sucessos do sertanejo. A chegada da cantora ao mercado aconteceu no mesmo momento de outras duplas femininas, como Maiara & Maraisa e Simone & Simaria. 

As letras empoderadas e de sofrência marcaram a carreira da cantora que morreu, aos 26 anos, nesta sexta (05), em um acidente aéreo em Minas Gerais. Ela deixa um filho, Léo, que completa dois anos em dezembro.

 

Marília Dias Mendonça nasceu em Cristianópolis (GO) em 22 de julho de 1995. O primeiro EP, que leva seu nome, foi lançado em 2014, e já tinha músicas como "Alô Porteiro" e "Sentimento Louco". Foi com o álbum de estreia, "Marília Mendonça", de 2016, que a cantora conseguiu projeção nacional com "Infiel".

 

O feminejo foi a tendência mais forte na música pop brasileira daquele ano e isso se refletiu nas paradas de sucesso. Tanto que o clipe da música sobre traição bateu mais de 1 bilhão de visualizações. "Folgado", "Saudade do Meu Ex" e "Eu sei de Cor" são outras faixas do álbum e rapidamente viraram hits também.

 

No ano seguinte, Marília lançou o DVD "Realidade", gravado em Manaus, com outros sucessos como "Amante não tem lar", "Eu Sei de Cor" e "De Quem é a Culpa".

 

A primeira parceria com Maiara & Maraisa, cantoras que são antigas amigas de Marília, foi com os álbuns "Agora É que são elas". O primeiro foi lançado em 2016 e o segundo em 2018.


Divulgação

Marília Mendonça em show do projeto 'Todos os cantos"

O projeto seguinte foi o "Todos os Cantos", quando a cantora excursionou pelo Brasil e gravou uma música em cada capital. Ela aparecia de surpresa na cidade e fazia apresentações de graça em praças públicas. Desse álbum saíram sucessos como: "Ciumeira", "Todo Mundo vai Sofrer", "Apaixonadinha", "Supera" e "Graveto". 

No final de 2019, Marília fez uma pausa na carreira no sétimo mês da gravidez do filho Léo, fruto do relacionamento com o sertanejo Murilo Huff. Eles tiveram um namoro de idas e vindas, mas não estavam juntos quando o acidente aconteceu.

 

"Estou dando uma pausa no meu AUGE, literalmente. O auge do meu amor, o auge da minha vida, o auge da minha felicidade, o auge do meu crescimento como mulher, o auge do meu amadurecimento. Pensou que eu tava falando de SUCESSO, né? Acertou. Como eu não seria bem-sucedida tendo em meu ventre o meu grande amor, que eu já escuto os sinais de chegada? Enfim, com lágrimas nos olhos, anuncio que, oficialmente, pausei a minha vida pra esperar a minha vida", escreveu Marília, no Instagram, na época.

 

Depois que voltou aos palcos, Marília estava tocando o projeto "Patroas", com a dupla Maiara e Maraisa. Elas lançaram um álbum homônimo em 2020 e o "Patroas 35%", em setembro deste ano. A turnê foi anunciada em outubro e já tinha ingressos à venda.

 

Figura querida no mundo da música, Marília gravou com artistas, como Anitta, Gal Costa, Henrique & Juliano, Leo Santana, Luísa Sonza, Tierry e o grupo de pagode Menos é Mais.

 

Durante a pandemia, a cantora fez a live mais vista do mundo com 3,31 milhões de visualizações. Com esse número, superou transmissões do BTS, de Andrea Bocelli e Jorge & Mateus.


PUBLICIDADE