PUBLICIDADE

Chuva fraca "alivia", mas bombeiros e brigadistas continuam combatendo focos de incêndios no Pantanal

Leonardo Cabral em 02 de Outubro de 2021

Divulgação/ Ibama/PrevFogo

Fogo na região do Jatobazinho foi controlado

A chuva fraca registrada na sexta-feira, 01 de outubro, em algumas regiões da área urbana e também do Pantanal, deu apenas um "refresco", porque os focos de calor continuam consumindo áreas de vegetação. 

Um dos pontos que recebem  mais atenção é a região do Jatobazinho, próximo a Serra do Amolar, e de Porto Esperança. Nestas áreas, o combate aos focos é bem intenso devido às chamas de grande proporção.

No Jatobazinho, o combate direto na área de mata utiliza moto serra e trator com a pipa de 3 mil litros de água. Sete brigadistas do Prevfogo e cinco militares do Corpo de Bombeiros estão nessa região. Em Porto Esperança que é bastante afetada pelo fogo, o trabalho também segue.

Em outras regiões, como Castelo, brigadistas realizaram um aceiro de 400 metros, para impedir que o fogo chegasse às casas de ribeirinhos. Sete brigadistas e um colaborador da escola rural estão empenhados no combate ao fogo.

Divulgação/ Ibama/PrevFogo

Região da Fazenda Santa Teresa

Outra área é a da Fazenda Santa Teresa. Foi feito também um aceiro em outro ponto, conseguindo controlar as chamas, com a utilização de sopradores, enxada, facão e os lançamentos de água por aviões.

Cidades

A semana foi difícil para quem mora em Corumbá, Ladário e nas cidades de Puerto Quijarro e Puerto Suárez, que fazem fronteira com o Brasil.  A fumaça encobriu toda a região e prejudicou o combate aéreo com o lançamento de água. Ventos causaram "tempestade" de poeira; a paisagem foi modificada e o tom amarelado tomou conta da paisagem.

Somente em setembro, Corumbá registrou 1.947 registros de focos de calor, de acordo com dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

PUBLICIDADE