PUBLICIDADE

Em Puerto Suárez, homem é condenado a 30 anos de prisão por estuprar três sobrinhas

Leonardo Cabral em 15 de Setembro de 2021

Reprodução

Enfurecida, população tentou linchar autor na saída de audiência que o condenou a 30 anos de prisão

Boliviano identificado pelas iniciais, como L.D.R, foi condenando a 30 anos de prisão, por estuprar três sobrinhas, de 6,7 e 9 anos de idade. O caso aconteceu na cidade de Puerto Suárez, que fica a poucos quilômetros da fronteira com Corumbá.

Conforme as investigações, o tio levou as meninas para um quarto da casa delas, aproveitando que a mãe das crianças havia saído e a avó estava descansando. Ele as embriagou e, então, cometeu o estupro. O homem foi preso em flagrante, depois que uma menina de 05 anos, que estava no quarto, conseguiu fugir e pediu ajuda a uma vizinha.

O promotor de Justiça, Alejandro Justiniano, informou que o caso aconteceu no domingo (12). A família fez uma festa na noite anterior e o homem, aproveitando o fato de que as pessoas estavam descansando, trancou quatro meninas no quarto e abusou de três delas.

“Uma das meninas é deficiente e também abusou dela, mas uma quarta criança fugiu e contou a uma vizinha que entrou na casa, abriu a porta depois de ouvir o choro e as reclamações das meninas. Ela o encontrou em flagrante delito abusando da criança e viu as outras duas meninas seminuas em outra cama”, explicou o promotor.

A vizinha, acionou de imediato a polícia, que prendeu o estuprador. Na terça-feira, 14 de setembro, ele foi levado a um juiz cautelar. O juiz de Instrução Criminal de Puerto Suárez, Erick Raúl Téllez Estrada, o condenou a 30 anos de prisão, sem direito a indulto, com pena a cumprir na prisão de Palmasola.

Enfurecidos com o caso, durante a audiência, os vizinhos chegaram à casa judiciária daquele município e tentaram invadir o local. Houve tumulto, mas foi controlado. Porém, no final da audiência, algumas pessoas chegaram a bater no homem no caminho, até que a polícia conseguiu colocá-lo na viatura. Os vizinhos também pediram que a família seja investigada para ver se houve alguma cumplicidade.

Com informações do jornal El Deber.

PUBLICIDADE