PUBLICIDADE

Bolívia suspende aulas e voos para a Europa e intensificará controle nas fronteiras

Leonardo Cabral em 12 de Março de 2020

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Entre as medidas anunciadas, está o reforço no controle de ingresso de pessoas na fronteira

O governo da Bolívia, por meio da presidente interina, Jeanine Áñez, anunciou nesta quinta-feira, 12 de março, sete medidas contra o coronavírus que o país andino deve tomar a partir de agora.

Entre elas, está a suspensão das aulas em escolas, faculdades, institutos, em todos os níveis, até 31 de março; a suspensão de voos para a Europa e eventos públicos que reúnam mais de 1.000 pessoas. "Estamos enfrentando uma batalha frontal contra o coronavírus. O governo não perdeu tempo e de forma imediata declarou uma emergência nacional", disse a presidente.

A chefe de Estado ainda pediu calma para a população e que informações oficiais sejam levadas em conta, evitando pânico. Ela também afirmou que  reuniões periódicas serão realizadas para acompanhar a evolução da pandemia declarada pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Reprodução/ El Deber

Presidente Jeanine Áñez divulgou medidas de prevenção nesta quinta-feira

Na Bolívia, são três casos confirmados da doença: dois em Santa Cruz de la Sierra (distante 650 km da fronteira com Corumbá) e um em Oruro. Outros cinco casos suspeitos são investigados. 

Em relação à fronteira entre Corumbá e as cidades bolivianas de Puerto Suárez e Puerto Quijarro, o tráfego segue normal.  Apenas no Posto Esdras, da Receita Federal, que algumas medidas foram tomadas para funcionários. Álcool gel, luvas e máscaras foram entregues aos servidores para que sejam utilizadas de forma opcional.

Confira as sete medidas do governo boliviano:

1-   Suspensão das aulas em todo o país, em todos os níveis, até 31 de março;

2-   Suspensão de voos de ida e volta para a Europa, a partir de sábado;

3-   Controle de pessoas que entram pelas fronteiras;

4-   Proibição de eventos públicos com mais de mil pessoas;

5-   Criação do Gabinete para a atenção do coronavírus;

6-   Fornecimento de infraestrutura em Santa Cruz e progressivamente nas capitais, além de El Alto, para atendimento exclusivo de casos.

7-   Que as ações sejam intensificadas para impedir que suprimentos médicos e de limpeza aumentem seus preços.

Com informações do jornal El Deber. 

PUBLICIDADE